[the_ad_group id="16401"]
Medicamentos > Sexualidade

Antidepressivos podem ser causa da perda de libido?

Por Redação Doutíssima 05/03/2014

Os médicos psiquiatras tem se confrontado ultimamente com o dilema dos efeitos colaterais dos medicamentos antidepressivos. Veja o porquê:

 

Podem os antidepressivos causar a perda de libido?

 

 

perda de libidoQuando utilizado no tratamento de pacientes apresentando casos leves ou moderados de depressão, este tipo de medicamento pode acarretar efeitos colaterais tão prejudiciais quanto a própria doença. Em alguns casos, o paciente chega a suspender a medicação por conta própria. Isto ocorre pois os medicamentos antidepressivos, responsáveis por corrigir as alterações neuroquímicas que originam os sintomas da doença, também são responsáveis pelo aumento de apetite e perda de libido.

Uma pesquisa realizada pelo Ibope a pedidos da Associação Latino-Americana de Psiquiatria interpelou 300 mulheres (principais vítimas de depressão) nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre. Os resultados da pesquisa apontam que 30% entre elas interromperam o tratamento com antidepressivos por terem ganhado peso, enquanto 17% justificaram o abandono do tratamento pela perda de libido.

“Esses efeitos são tão indesejáveis que o tratamento acaba sendo comprometido, e a depressão se torna difícil de tratar” diz a psiquiatra e professora da Universidade de São Paulo Carmita Abdo, coordenadora do Projeto Sexualidade (ProSex). Em suas pesquisas, Abdo atesta que mais de 75% dos pacientes que realizaram tratamentos com antidepressivos se queixam da dificuldade de excitação e de atingir o orgasmo.

perda de libidoOs especialistas afirmam: mesmo que a perda de libido esteja em segundo lugar na pesquisa realizada pelo Ibope, ela pode trazer efeitos ainda mais nocivos do que o aumento do peso corporal. O psiquiatra Fernando Lejderman, presidente da Associação de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, explica que a perda de libido, além de afetar a mulher em tratamento, pode influenciar na relação dela com o parceiro. “Se a paciente não é informada do efeito dos antidepressivos sobre a libido, especialmente os que atuam sobre a serotonina (um neurotransmissor cujo baixos níveis estão associados à doença), ela pode vir a ter problemas no relacionamento com o marido ou namorado, que interpreta a falta de desejo como desinteresse ou fim do amor” afirma Lejderman.

Contudo, de acordo com o psiquiatra Marcelo Fleck, coordenador do Programa de Transtornos do Humor do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, algumas medidas podem ser tomadas para que estes efeitos colaterais sejam evitados, como pequenas alterações na dosagem, substituição do antidepressivo ou combinação com outros medicamentos.

O tratamento antidepressivo pode ter a duração de seis meses a um ano. O fato de que ele seja seguido à risca pode reduzir as chances do reaparecimento da depressão. Esta doença pode também, em alguns casos, provocar a perda de libido e aumentar consideravelmente o apetite. Carmita Abdo afirma que a interrupção precoce do tratamento antidepressivo por uma paciente mulher aumenta em 50% as chances de que ela venha apresentar novamente a doença. Na segunda desistência, o risco aumenta para 90%. “Se a depressão se torna crônica, recuperar a libido se torna muito mais difícil” alerta Abdo.

 

Fonte: zerohora.clicrbs.com.br

 

Entenda melhor como os medicamentos antidepressivos funcionam assistindo o vídeo a seguir:

 

 

Saiba mais:

 

Depressão: estimulação magnética funciona?

Como reconhecer os sintomas da depressão

Os médicos conseguem diagnosticar a depressão?

Depressão: mal do século?

Aumento da libido: Viagra feminino chega ao mercado

Como combater a perda de libido feminina

7 Dicas para aumentar a libido da sua namorada


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]
[the_ad_group id="16404"]