Unhas

Micose de unha: o que está por trás desse desagradável problema

Por Redação Doutíssima 16/10/2014

A micose de unha – ou onicomicose como é chamada no meio médico – representa não apenas um problema de saúde, mas também um incômodo estético. Infecção causada pela proliferação de fungos, ela é mais comum entre mulheres.

micose-de-unha

A micose de unha ocorre mais nos pés do que nas mãos, geralmente. Foto: iStock, Getty Images

Estima-se que a micose de unha afete cerca de 20% da população mundial adulta, com ênfase às pessoas entre os 40 e 60 anos de idade. A afecção raramente acomete crianças, provavelmente pelo mecanismo de crescimento da unha, que nos pequenos é mais rápido.

 

Onde ocorre a micose de unha

 

Usualmente, a micose de unha ocorre mais nos pés do que nas mãos. A explicação é que nos membros inferiores cria-se facilmente um ambiente propício para a reprodução de microorganismos.

 

O uso contínuo de calçados fechados e apertados produz o clima escuro, o calor e a umidade ideais para a propagação fúngica. O fato de as unhas serem compostas predominantemente de queratina (alimento dos fungos) faz com que sejam rapidamente deterioradas pelos germes.

 

Entre as manifestações do mal, as principais são: manchas brancas, deformações e espessamento e descolamento das unhas. Além disso, o problema torna a unha quebradiça, e ela vai aos poucos se “estilhaçando”.

 

Se não tratada, a micose de unha pode progredir e comprometer toda a unha, contaminar as demais e ainda servir de porta de entrada para outros microorganismos que podem provocar infecções mais graves.

 

Via de regra, os fungos que desencadeiam a onicomicose são transmitidos pelo contato com o solo, animais ou outras pessoas, além de instrumentos como cortadores, alicates e tesouras previamente contaminados.

 

Imunossuprimidos, ou seja, pessoas com o sistema imune vulnerável como diabetes e portadores de psoríase, entre outras doenças, estão mais expostos ao surgimento dos fungos.

 

O tratamento deste tipo de afecção é longo. Quando atinge as mãos, o uso de antifúngicos deve ser feito por três a seis meses. Nos pés, a terapia compreende de 12 a 18 meses. Ambos os períodos representam o intervalo que as unhas destas regiões levam para voltar a crescer e se restabelecer.

 

Como prevenir e tratar a micose de unha

 

Micose de unha não se cura sozinha. Logo, a administração medicamentosa é sempre necessária. As soluções podem, entretanto, ser de aplicação externa – a partir de cremes, esmaltes específicos para onicomicoses e loções –, oral (remédios) ou uma mistura dos dois.

 

Mesmo assim, a prevenção é sempre a alternativa mais recomendada. Alguns cuidados podem ajudar a manter a micose de unha afastada:

 

Conservar hábitos de higiene que contemplem mãos e pés

Evitar andar descalço, principalmente sob pisos molhados

– Manter animais de estimação limpos e evitar contato com pelos, pois podem ser uma fonte de contaminação

– Nunca mexa com a terra sem estar usando luvas

– Tenha sempre seu próprio material de manicure e não o empreste a ninguém

– Calce sapatos abertos e largos

– Evite banhos em vestiários de academias. Se for extremamente necessário, procure então usar chinelos

– Abdique das meias de tecido sintético, optando sempre pelas de algodão.

 

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!


Sites parceiros