[the_ad_group id="16401"]
Especialidades

Entenda as consequências do choque cardiogênico no organismo

Por Redação Doutíssima 06/01/2015

O choque cardiogênico é causado pela incapacidade do coração bombear a quantidade adequada de sangue para abastecer os órgãos vitais. Sua ocorrência causa a queda da pressão arterial, a falta de oxigênio no corpo e o acúmulo de água nos pulmões.

Ele é uma das principais complicações que podem ocorrer em um ataque cardíaco ou infarto, e é responsável por 50 % das mortes nestes casos. Contudo, nem todo mundo que sofre um ataque cardíaco ou infarto terá também um choque cardiogênico.

choque cardiogênico

Metade das mortes por infarto acontecem em consequência desta complicação. Foto: iStock, Getty Images

Suas complicações podem vir a acarretar na falência de órgãos essenciais para o funcionamento do corpo, entre eles estão o fígado, os rins e pulmões, além do cérebro. Por conta disso, a doença acaba sendo uma das causas mais comuns de óbitos em pacientes internados nas UTIs.

Como perceber a ocorrência de um choque cardiogênico

Alguns sintomas podem ser um alerta do problema, veja abaixo quais são e fique atento a eles:

  • Palidez da pele
  • Diminuição da pressão arterial
  • Batimentos cardíacos e respiração acelerada
  • Sonolência e/ou fraqueza intensa
  • Confusão mental repentina
  • Perda súbita de consciência
  • Redução, ou interrupção, da quantidade de urina
  • Suor
  • Mãos e pés gelados
  • Pulso fraco
  • Falta de ar e sons estranhos ao respirar (no caso de pessoas com edema pulmonar ou com presença de líquidos nos pulmões).

O diagnóstico do choque cardiogênico é realizado por meio da verificação dos sinais vitais do paciente ou por exames de laboratório. Eletrocardiogramas, ecodopplercardiograma e radiografia do tórax são exames que também podem ser solicitadas pelos médicos.

O que causa o choque cardiogênico

O choque cardiogênico pode ser causado por decorrência de infarto agudo do miocárdio, de ataques cardíacos, por inflamação do músculo cardíaco e por arritmias. Outras possíveis causas são: traumas no coração; doenças das válvulas cardíacas; intoxicação por medicamentos; e resultado de infecções generalizadas.

Pessoas que sofrem um choque cardiogênico precisam ser imediatamente internadas em uma unidade intensiva de tratamento (UTI). A oxigenação do sangue e a pressão arterial deverão ser monitoradas, e eletrocardiogramas realizados para acompanhar a situação do paciente.

Uma sonda será colocada na bexiga para a drenagem do líquido. O paciente receberá remédios injetáveis, como vasodilatadores, diuréticos e hidratantes. Os diuréticos irão ajudar a eliminar a água presente nos pulmões.

Aparelhos que administram o oxigênio nasal, ou de ventilação mecânica também serão essenciais para que os tecidos corporais recebam o ar necessário. Em pacientes com incidência de infarto agudo do miocárdio a artéria entupida, responsável pela ocorrência, deve ser desobstruída.

Nos casos mais graves é realizado o processo cirúrgico para colocação de ponte de safena. Um balão, que melhora a circulação sanguínea também pode ser introduzido. Este processo chama-se angioplastia coronariana, e ajuda na liberação das artérias interrompidas.

Esse balão é mantido no paciente de 24 a 74 horas, dependo do seu estado clínico. Remédios que aumentam a força do coração provavelmente serão utilizados. Entre as opções estão a dopamina ou a norepinefrina.

 

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão Doutíssima!


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]
[the_ad_group id="16404"]