Clínica Geral

Conheça as causas da morte por infarto no sexo feminino

Por Redação Doutíssima 30/04/2014

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), 17 milhões de pessoas sofrem morte por infarto no mundo por ano. Já no Brasil, 360 mil pessoas são vítimas desse problema cardíaco anualmente. 

Os homens lideram o número de mortes em decorrência desse problema cardiovascular. De acordo com um levantamento realizado pelo Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, de São Paulo, mostra que 60% das vítimas são homens.

Mas é o número de mulheres afetadas diariamente por esse problema que chama atenção. Por dia, mais de 200 brasileiras são vítimas de infarto.

morte-por-infarto-doutissima-iStock

Por dia, mais de 200 brasileiras são vítimas de infarto e a maioria desconhece os sintomas. Foto: iStock, Getty Images

Morte por infarto atinge mulheres por descuido

Uma pesquisa da Universidade Yale, divulgada em 2015, revelou que as mulheres jovens tendem a ignorar os indícios de infarto como dor no peito, suor excessivo, enjoos, falta de ar e demoram para procurar ajuda médica.

Os pesquisadores que desenvolveram essa pesquisa estudaram 30 mulheres que foram hospitalizadas por infarto, com idades entre 30 e 55 anos, e foi apontado que essas mulheres não sabiam os sintomas, não faziam prevenção contra doenças cardíacas e não pensavam nas complicações causadas por esses problemas cardíacos.

De acordo com o cardiologista do Hospital do Coração, Leonardo Piegas, as mulheres são vítimas de morte por infarto porque estão mais expostas ultimamente. Essas mulheres apresentam um aumento de 40% em gordura abdominal, mais de 20% fumam, 18% são ex-fumantes, 23% têm seus níveis de pressão arterial acima do preconizado e 21% possuem alteração dos níveis de colesterol.

O mercado de trabalho e a rotina agitada aparecem como fatores de riscos já que as mulheres acumulam altos níveis de estresse. O sedentarismo e maus hábitos alimentares também estão como agravantes desse problema de saúde.

“O tabagismo, a falta de atividade física regrada, a bebida e os alimentos não saudáveis com altos índices de colesterol e gordura contribuem no entupimento das artérias coronárias. É o cenário perfeito para um infarto ou um derrame”, ressalta o cardiologista do Hospital do Coração.

Como identificar e se prevenir

Se você mantém algum dos maus hábitos descritos acima é hora de buscar uma vida saudável. Comece pela alimentação, segundo orientações do médico Piegas, é importante aumentar o consumo de frutas, legumes e verduras, já que esse alimentos ajudam a controlar o peso.

Para melhorar a sua qualidade de vida é necessário incluir também atividade física em sua rotina: 30 minutos por dia é o suficiente para melhorar o condicionamento físico, reduzir a pressão arterial e os níveis de glicose. A redução desses fatores ajuda a diminuir o risco de infarto do miocárdio ou derrame cerebral.

Um dos principais sintomas que caracteriza o infarto é a dor aguda no peito, mas e quando ela não vem, como identificar que algo está errado?

Fadiga, azia, suor excessivo, dores nas costas e no pescoço, indigestão e sensação de obstrução na garganta. Ou seja, os sintomas de infarto vão muito além da sensação de que algo aperta o coração.

Pessoas que estão infartando sentem desconforto em toda a região torácica, por isso é importante procurar o seu médico especialista para fazer exames de rotina e, assim, monitorar a sua saúde cardíaca.

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!


Sites parceiros