Clínica Geral

IRM: exame obtém informações detalhadas dos órgãos e tecidos

Por Redação Doutíssima 24/08/2015

Um dos exames mais precisos para obter informações detalhadas sobre a situação dos tecidos e órgãos é o de Imagem por Ressonância Magnética (IRM). Trata-se de um método que utiliza, para diagnóstico, ondas de radiofrequência e um forte campo magnético, sem a necessidade de usar a radiação ionizante.

Ao longo do tempo, esse tipo de exame vem comprovando sua eficácia em um grande leque de complicações clínicas em todas as regiões do corpo humano.

A realização do exame de IRM exige equipamentos com tecnologia de ponta, uma equipe altamente qualificada e, especialmente, um pessoal técnico com experiência. Há alguns exames desse tipo que requerem a administração de um meio de contraste por meio da veia.

IRM istock getty images

Imagem por Ressonância Magnética (IRM) possibilita uma visão mais detalhada. Foto: iStock, Getty Images

É um líquido que age no realce das imagens dos vasos sanguíneos ou dos órgãos. Dessa forma, o diagnóstico é bem mais preciso. O líquido usado para o contraste é eliminado pela urina depois do exame.

Exame de IRM no diagnóstico de lesões

A IRM é a mais utilizada para avaliar as condições da coluna e das articulações. Isso porque a ressonância magnética possibilita a obtenção de imagens nítidas dos tecidos moles que ficam próximos dos ossos. Dessa forma, esse exame é um dos mais utilizados para os diagnósticos de lesões associadas à práticas esportivas.

Por meio das imagens, o médico radiologista consegue identificar até mesmo as menores rupturas ou qualquer tipo de lesão em ligamento, músculo ou tendão. Além disso, o exame é extremamente válido na avaliação dos órgãos e estruturas do abdômen e da pelve. Na maioria das vezes, é o mais preciso para esses casos.

A IRM é ainda extremamente útil quando usada para diagnosticar doenças relacionadas à pelve da mulher, como complemento para outros estudos ou exames. Também é usado para complementar investigações de afecções da próstata, especialmente quando outros métodos não se mostram eficientes.

E no que se refere a estudos do crânio, as imagens em alta definição oferecidas por esse exame possibilitam o diagnóstico de tumores, derrames e inúmeras outras patologias que podem atingir a região.

IRM é um procedimento simples e indolor

A realização do exame é bem simples. O paciente permanece deitado em uma mesa específica para esse fim, tendo total liberdade de se comunicar com a equipe que realiza o teste. Monitores permitem a observação constante do indivíduo que tem à mão um dispositivo para chamar, se necessário, os enfermeiros ou técnicos que acompanham o procedimento.

Não há nenhum risco de dano ou dor ao paciente que se submete a esse tipo de exame, mas ele gera bastante ruído. Por isso, é comum que protetores de ouvido sejam colocados à disposição do paciente.

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!


Sites parceiros