A duração e a intensidade do fluxo menstrual variam de mulher para mulher. Quando ele é excessivamente intenso, prolongado ou irregular, é chamado menorragia.

 

Os sintomas incluem um período que dura mais de sete dias e sangramento tão intenso que você precisa mudar o absorvente mais de uma vez por hora. Por isso, é preciso saber amenizar o problema que interfere em sua vida diária.

fluxo menstrual doutíssima istock getty images
Duração do ciclo menstrual e a quantidade de fluxo sanguíneo depende de cada mulher. Foto: iStock, Getty Images

 

Causas do fluxo menstrual intenso

A duração do ciclo menstrual e a quantidade de fluxo sanguíneo é única para cada mulher. A maioria delas tem um ciclo que varia de 24 a 34 dias, fluxo de sangue que dura de quatro a cinco, e perda de sangue equivalente a três colheres de sopa. É importante saber que essas são apenas as médias, e que no seu caso o “normal” pode ser diferente disso.

 

De forma técnica, há menorragia quando o fluxo sanguíneo é de mais de 80 ml por período menstrual. Quando isso ocorre, o maior problema é o aumento de chances no aparecimento de anemia – deficiência de ferro. Esse forte fluxo menstrual pode estar associado a vários problemas físicos subjacentes.

 

Uma das principais causas está relacionada com os hormônios, que são os grandes condutores do ciclo menstrual. São eles, especificamente estrogênio e progesterona, que ajudam a preparar o corpo feminino para uma possível gravidez através do espessamento do revestimento do útero – conhecido como endométrio.

 

Quando há alteração dos níveis hormonais é possível a ocorrência de sangramento anormal. Isso é bastante comum com a aproximação da menopausa, uso de determinados medicamentos de controle de natalidade e ainda problemas na tireoide.

 

A dificuldade de coagulação sanguínea também é capaz de explicar o sangramento menstrual intenso. Se o corpo tem dificuldade para formar coágulos, um fluxo menstrual anormal pode ser o resultado. Além disso, outras possíveis causas subjacentes incluem câncer, miomas uterinos, infecção, flutuações no peso, dieta restritiva, altos níveis de estresse e distúrbios hemorrágicos.

 

É possível tratar?

O tratamento da menorragia baseia-se na saúde geral e na razão das alterações menstruais, bem como na história reprodutiva e planos futuros. Eventuais condições médicas subjacentes, como disfunção da tireoide, precisam ser solucionadas. Além disso, há outras opções para quem deseja tentar reduzir o sangramento menstrual intenso.

 

Uma delas é o uso de blocos de gelo no abdômen durante 20 minutos a uma hora, várias vezes ao dia. Vale a pena também conversar com seu médico para tomar vitaminas – os suplementos de vitamina C são capazes de ajudar o corpo a absorver ferro e, eventualmente, fortalecer os vasos sanguíneos.

 

Aliás, baixos níveis de ferro podem estar associados ao aumento do sangramento menstrual. Uma pesquisa publicada na Acta Obstetricia et Gynecologica Scandinavica aponta que diagnóstico e tratamento da anemia é importante para melhorar a qualidade de vida entre mulheres com períodos menstruais intensos. Os pesquisadores finlandeses ainda recomendam suplementação de ferro nesses casos.

 

De toda forma, é sempre conveniente conversar com seu médico antes de tentar qualquer abordagem – medicação, fitoterápicos, suplementação ou soluções caseiras. É ele o profissional capacitado para gerenciar suas condições de saúde, podendo ainda indicar um tratamento mais específico para o seu caso.

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar! 


DEIXE UMA RESPOSTA