Depois do parto, as mães passam por um período de realinhamento do corpo e algumas mudanças que duram 40 dias. Essa fase é conhecida como quarentena ou pós-parto. Há muitos mitos sobre esse tempo, indicando que a mulher não poderia fazer sexo, exercitar-se ou até mesmo lavar o cabelo. Será que eles são verdade?

 

Mudanças que ocorrem depois do parto

O puerpério compreende as primeiras 72 horas até os 40 dias após o parto. É nele que o sangramento começa a diminuir e, depois dos primeiros 15 dias, a desaparecer. O que acontece é que no período o sistema cardiovascular vai voltando ao normal, com o volume extra de sangue – que exerce pressão sobre o coração -, desaparecendo ao final.

quarentena
Período de 40 dias após o parto é uma fase repleta de tabus e de mudanças hormonais. Foto: iStock, Getty Images

Nessa fase também acontece queda de níveis hormonais, que pode ocasionar maior cansaço e desânimo na mãe durante os primeiros 15 dias do pós-parto. A comunidade médica chama esse período de “baby blues”, uma forma menos grave de depressão pós-parto.

 

É preciso ter atenção porque se o sentimento durar muito tempo, talvez seja um sinal de depressão. Segundo um estudo do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA, 8% a 19% das mulheres relatam sintomas depressivos pós-parto.

 

Em razão dessas grandes mudanças, muitos mitos se criaram sobre esse período. Diversas pessoas acreditam que deve se evitar muitas atividades durante a quarentena. A verdade é que a mulher realmente precisa se cuidar nessa fase, mas não há razão para seguir a indicação da maioria desses mitos.

 

O que pode e o que não pode na quarentena

A quarentena é uma criação latino-americana e indica o período de 40 dias pós-parto, no qual as mães recuperam-se e criam vínculo com seus bebês. Comida, sexo e descanso estão sujeitos a uma constelação de tabus e prescrições nessa fase – nem todos com amparo científico. Veja alguns mitos e verdades.

 

1. A mulher não pode engravidar

quarentena
Engravidar no pós-parto é possível, por isso a importância dos métodos contraceptivos. Foto: Shutterstock

Mito. É verdade que o hormônio prolactina altera a ovulação e o ciclo menstrual. Porém, estima-se que ao menos 6% das novas mães retomam a ovulação já no primeiro mês após o parto. Portanto, para evitar uma gravidez indesejada durante essa etapa, é essencial a utilização de algum método contraceptivo.

 

2. Relações sexuais não são possíveis

quarentena
Se não houve complicações no parto, a mulher pode retomar a vida sexual normalmente. Foto: Shutterstock

Depende. Isso varia conforme o caso concreto, inexistindo um período determinado de proibição. A verdade é que o corpo pode estar preparado duas, três, quatro ou até cinco semanas após o parto – nos casos em que foi necessária cirurgia ou algum corte.

Porém, se você não teve ferimento algum, o útero não apresentou problemas e a perda de sangue parou, é possível retomar a atividade sexual a qualquer hora.

3. É preciso ficar em casa

quarentena
O isolamento em casa no pós-parto com o bebê pode comprometer a saúde dele e da mulher. Foto: Shutterstock

Mito. Os cuidados nessa fase são realmente necessários para o corpo se recuperar mais rapidamente, mas não é preciso permanecer em casa. Pelo contrário, já que um estudo da North Dakota State University indica que o enclausuramento compromete tanto a mãe quanto a exposição do bebê ao sol, resultando em deficiência de vitamina D e raquitismo.

 

4. A mãe não deve lavar o cabelo

quarentena
Tomar banho e lavar o cabelo são ações que a mulher pode realizar no período pós-parto. Foto: Shutterstock

Mito. É possível tomar banho – e lavar o cabelo – antes mesmo de ter alta do hospital. No entanto, é recomendável evitar banhos de banheira e piscina no mínimo por um mês, que é o tempo que leva a cicatrização de eventuais cortes que tenham sido feitos no parto.

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar! 


DEIXE UMA RESPOSTA