[the_ad_group id="16403"]
Dica do Nutricionista

Descubra mitos sobre o consumo de alimentos probióticos

Por Redação Doutíssima 01/10/2015

Alimentos probióticos são repletos de organismos vivos (bactérias) que, quando em quantidade equilibrada, têm efeito benéfico para quem os consome. Esse tipo de nutriente deve fazer parte das refeições diárias porque é essencial ao bom funcionamento do intestino.  

Por que consumir alimentos probióticos?

Segundo a nutricionista Vivian Almeida, a interação dessas bactérias com a flora intestinal é simbiótica, onde todos são beneficiados. A especialista lembra que o funcionamento do intestino é essencial para a imunidade.

alimentos probioticos

Bactérias presentes em laticínios ajudam a equilibrar a flora do intestino. Foto: iStock, Getty Images

O equilíbrio entre as bactérias intestinais e as ingeridas nos alimentos probióticos tem diversos benefícios. Quando tudo funciona bem, o organismo é capaz de controlar o colesterol, reduzir diarreias, estimular o sistema imunológico e agir na redução do risco de desenvolvimento de câncer.

Os mais famosos alimentos probióticos são os laticínios, principalmente leites fermentados, iogurtes e alguns queijos, comenta a nutricionista. “Porém, também há no mercado comprimidos, cápsulas e sachês que contêm as bactérias probióticas sob a forma liofilizada”, instrui.

Apesar de necessários, não existe recomendação padrão para o consumo de probióticos, já que a necessidade pode variar conforme o organismo do indivíduo e o tipo de bactéria.

“A prescrição de produtos alimentícios contendo probióticos e os probióticos isolados deve ser feita pelo nutricionista ou médico, e precisa considerar as tolerâncias e restrições alimentares individuais”, explica Vivian.

A nutricionista ainda ressalta que os rótulos dos produtos probióticos devem indicar a quantidade de micro-organismos viáveis, garantindo a ação deles dentro do prazo de validade.

Mitos sobre os probióticos

1. Todos os alimentos que contém bactérias vivas são probióticos

Na verdade, para ser considerado um alimento probiótico, o produto deve conter bactérias classificadas nessa categoria. Além disso, alguns alimento trazem micro-organismos vivos que não possuem comprovação científica mostrando se há ou não alguma interação benéfica com o organismo.

2. Todos os iogurtes contém probióticos

Iogurtes que contêm bactérias que auxiliam na digestão da lactose são, com certeza, alimentos probióticos, mas nem todos possuem as culturas consideradas nessa categoria. Isso porque os iogurtes em geral contém micro-organismos, mas nem todos eles trazem algum benefício para a saúde.

3. Probióticos secos são menos eficientes

Enquanto os probióticos em produtos fermentados estão, de fato, vivos, isso não significa que os vendidos em cápsulas ou sachês não tenham a mesma eficiência. Avanços tecnológicos permitem manter a qualidade dos micro-organismos em diversas condições, mas é importante conferir na embalagem como armazenar o produto corretamente e evitar que ele perca o efeito.

4. Todos os probióticos funcionam da mesma maneira

Não, eles não são todos iguais e sua ação no organismo varia conforme a espécie de bactéria. Todos agem no intestino, mas de diferentes maneiras. Enquanto um tipo é capaz de aliviar sintomas de síndrome do intestino irritável, outros já mostram seu poder de prever diarreia associada ao uso de antibióticos.

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar! 


[the_ad_group id="16349"]
[the_ad_group id="16404"]