[the_ad_group id="16401"]
Bem-Estar > Dia a Dia > Slider Home

Novo caso reforça importância do combate à cultura do estupro

Por Redação Fortíssima 27/05/2016

Na última sexta-feira, dia 20 de maio, uma adolescente de 16 anos foi violentada por 30 homens no Rio de Janeiro. Há exatamente um ano, quatro jovens também sofreram abuso coletivo no Piauí – e foram jogadas de um penhasco. Uma delas morreu. Todas viraram estatística da chamada cultura do estupro.

No Brasil, segundo dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, uma mulher é estuprada a cada 11 minutos. Em 2014, o país teve 47.646 casos registrados. Enquanto isso, a culpabilização da vítima segue como argumento comum para justificar o crime. 

Cultura do estupro

Cultura do estupro culpabiliza as vítimas pelo crime. Foto: iStock, Getty Images

Cultura do estupro no Brasil

Um tema a ser discutido por homens e mulheres, a cultura do estupro já está enraizada na sociedade. É a partir dela que pensamentos que culpam a vítima ainda são repetidos e aceitos. Você certamente já ouviu falar, por exemplo, que ela merecia por estar alcoolizada ou com uma saia curta.

Tudo isso contribui para que o número de denúncias diminua e o estupro se torne um crime silencioso. Estimativas do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) apontam que  apenas 10% dos casos chegam ao conhecimento da polícia.

Há outras definições bem claras que também ajudam a entender como a cultura do estupro se espalha. O termo original, rape culture, foi criado por feministas dos Estados Unidos, ainda na década de 1970. Ele foi idealizado para denunciar como a sociedade culpa as vítimas de abuso sexual e normaliza a violência contra a mulher.

O termo se refere, portanto, a um conjunto complexo de crenças que encorajam a agressão sexual. Entram na lista as cantadas na rua, a piada no grupo de amigos e a foto vazada na internet, até chegar ao extremo da prática do estupro.

Basta observar como a linguagem na televisão, em filmes e séries, além das imagens dos comerciais, contribui para a objetificação da mulher. Isso sem falar em gírias e piadas que, embora aparentemente inofensivas, denotam preconceitos e incentivam comportamentos agressivos.

Faça a sua parte

Transformar conceitos sociais não é algo que ocorre do dia para a noite. É preciso repensar e reavaliar comportamentos. Portanto, os homens podem – e devem – estar engajados no combate ao estupro. Como? Repensando atitudes. Violência sexual não é um instinto natural do homem.

É importante praticar a desconstrução. Isso significa deixar de lado o uso de termos pejorativos para se referir a uma mulher, como vadia ou piranha, e mesmo repreender os amigos que demonstrarem atitudes machistas. Afinal, a cultura do estupro se baseia também na aceitação passiva da degradação das mulheres.

Por isso, é igualmente  fundamental denunciar. Basta discar para o número 180. Outra opção para colocar a causa em destaque é se engajar nas redes sociais e trocar a foto do seu perfil. Clicando aqui, você pode adicionar a frase Eu luto pelo fim da cultura do estupro na sua imagem.

E você, como combate a cultura do estupro? Essa luta é de todos! Compartilhe o artigo nas redes sociais.


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]
[the_ad_group id="16404"]