câncer de próstata

O câncer de próstata é um problema de saúde muito importante e frequente nos homens a partir dos 60 anos de idade. No Brasil, é o segundo tipo mais comum – o primeiro é o câncer de pele não-melanoma. A sua incidência é mais elevada nos países do norte da Europa, com taxas superiores a 200 casos para cada 100.000 habitantes. Já nos países do sul do continente, ele aparece em menor número, mas verifica-se um aumento progressivo e significativo nos últimos tempos.

As taxas de sobrevivência das pessoas afetadas pela doença cresceram nos últimos anos, o que pode ser explicado por vários fatores e já responde a pergunta inicial: sim, o câncer de próstata tem cura.

O fato de se realizarem exames precoces que permitem detectar muito mais cedo esse tipo de doença e a maior eficácia dos vários tratamentos disponíveis permite explicar o aumento de sobrevivência dos doentes.

Atualmente, verifica-se uma maior esperança de vida da população em geral e uma progressão da incidência do câncer de próstata, e, pelo que se consegue prever, um consequente e substancial aumento da despesa de saúde para tratar esse tipo de doença.

Câncer de próstata: fatores de risco

Existem muitas investigações que pretendem determinar quais os fatores de risco que determinam o aparecimento e a evolução do câncer de próstata. Apesar das descobertas ainda serem poucas, há três situações claramente implicadas na doença: o envelhecimento, a raça e a hereditariedade.

No que diz respeito à idade, é importante distinguir a incidência histológica e a incidência clínica desse câncer. Em estudos de autópsias, o número de casos de câncer de próstata diagnosticados na análise histológica é semelhante entre os diversos grupos etários e em diferentes partes do mundo. Contudo, quando analisamos a incidência clínica, verificamos grandes diferenças entre as diversas áreas geográficas: a sua incidência é muito mais elevada nos Estados Unidos da América e nos países do norte da Europa, enquanto que na Ásia é muito menor.

É importante destacar que a migração de habitantes asiáticos para os Estados Unidos faz com que o seu risco de câncer de próstata aumente e a sua incidência se iguale, praticamente, à dos nativos americanos. Essa alteração de risco e de incidência faz pressupor que poderão existir fatores externos que conduzem à transformação de um câncer histológico latente num câncer clinicamente significativo.

Há também um componente de hereditariedade no câncer de próstata, mas trataremos sobre esse fator de risco num próximo capitulo.

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!

 

Saiba mais:

Qual a importância do exame de próstata

Campanha em São Paulo incentiva homens a fazer exame de próstata

Novo tratamento aumenta sobrevivência em casos de câncer de colo do útero

Você sabia que se diagnosticado precocemente, câncer colorretal pode ser curável?

Entenda como é feita a colonoscopia e saiba o quanto ela é importante para o diagnóstico precoce do câncer

Computador Watson contra o câncer: tecnologia da IBM será empregada no combate ao câncer

Sedentarismo aumenta em 40% os fatores de risco para câncer de mama