[the_ad_group id="16401"]
Clínica Geral > Especialidades

Câncer de colo do útero: saiba como ele ocorre, sintomas e tratamentos

Por Redação Doutíssima 24/05/2014

O câncer de colo do útero, também conhecido como cervical, é um tipo de câncer que demora anos para se desenvolver. Por isso, trata-se de uma doença possível de ser combatida com sucesso se medidas preventivas forem adotadas.

Terceiro tumor mais frequente na população feminina, o câncer de colo do útero fica atrás em incidência dos cânceres de mama e do colorretal, e representa a quarta causa de morte de mulheres por câncer no Brasil.

câncer de colo do útero

Exame preventivo (Papanicolau) diagnostica a doença mesmo em estágio inicial. Foto: Shutterstock

Em 2011, foram registradas no país 5.160 mortes por câncer de colo do útero. Estimativas do Instituto Nacional do Câncer (INCA) apontam para o diagnóstico de 15.590 novos casos da doença apenas em 2014.

Prevenção do câncer de colo do útero

Apesar de perigoso e bastante incidente no país, o câncer de colo do útero pode ser prevenido, diagnosticado e tratado com certa facilidade. Neste ano, o Ministério da Saúde deu um importante passo para controlar novos casos da doença ao estabelecer uma campanha de vacinação contra o HPV (papilomavírus humano), que está presente em mais de 90% dos casos de câncer de colo do útero.

Ainda assim, as vacinas não protegem contra todos os subtipos do HPV, o que reforça a necessidade de prevenção da doença, começando por evitar o tabagismo e o uso prolongado de pílulas anticoncepcionais, além de utilizar preservativos em todas as relações sexuais.

Mesmo quem adota todos cuidados, deve realizar periodicamente o exame preventivo (Papanicolau), a partir do qual a doença é diagnosticada, mesmo em estágio inicial. Estimativas indicam que, quando o câncer de colo do útero é identificado precocemente e tratado adequadamente, a chance de cura é de praticamente 100%.

Detecção precoce

O Papanicolau é capaz de identificar o câncer de colo do útero mesmo em sua fase pré-clínica, quando a doença não apresenta sintomas. O exame identifica lesões precursoras, as quais antecedem ao aparecimento do câncer. Ele pode ser feito em unidades de saúde da rede pública e é indolor, simples e rápido.

Para melhores resultados, é recomendado que, 48 horas antes do exame, a mulher não tenha relações sexuais e evite o uso de duchas, de medicamentos vaginais e de anticoncepcionais locais. Também não deve estar menstruada, pois a presença de sangue pode alterar o resultado.

Sintomas

O câncer de colo do útero é uma doença cujo desenvolvimento se dá de forma lenta. Em sua fase inicial, pode não revelar sintoma algum, o que aumenta a importância de a mulher estar em dia com seus exames ginecológicos preventivos.

Numa segunda fase, a patologia evolui para quadros de sangramento vaginal intermitente ou com ocorrências após o ato sexual. Também pode ser verificada secreção vaginal anormal e dor abdominal, a qual pode vir associada a outras queixas urinárias ou intestinais, especialmente nos casos mais avançados.

Tratamento

O tratamento irá depender da avaliação e orientação médica, conforme o caso. Entre as formas terapêuticas mais empregadas no enfrentamento do câncer de colo do útero, estão a cirurgia e a radioterapia. A escolha médica dependerá também da fase em que se encontrar a doença, do tamanho do tumor e de fatores pessoais da mulher, como a sua idade e o desejo de ter filhos.

Em alguns casos, pode ser necessário que não apenas a mulher, mas também o seu parceiro, receba tratamento. Nestas situações, é importante que ele também vá à unidade de saúde para ser orientado.

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!

 

Saiba mais:

Campanha valoriza autoestima no casamento do câncer de mama

Consumo elevado de proteínas de origem animal aumenta risco de morte por câncer e diabetes

Mutação de vírus da hepatite pode estar ligada a câncer de fígado

Mortalidade por câncer cresce mais no interior

Oncofertilidade: uma nova possibilidade para ter filhos após o câncer

Vitamina C injetável ajuda no tratamento contra o câncer

Mito ou verdade: tratamento para colesterol alto pode causar câncer


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]
[the_ad_group id="16404"]