Guia do Câncer

Cirurgia da próstata: veja quando o procedimento é indicado

Por Redação Doutíssima 01/11/2014

A cada ano, cerca de 60 mil brasileiros recebem o diagnóstico de câncer de próstata. Este é o segundo tipo de tumor mais comum no país entre os homens, atrás dos tumores de pele. Após o diagnóstico, é preciso partir para o tratamento do câncer – e a cirurgia da próstata, que retira a glândula, é um dos meios de combater o câncer.

cirurgia-da-prostata.jpg

Retirada da glândula pode ser a solução contra o câncer. Foto: iStock, Getty Images

Casos de tumor maligno costumam ser os mais indicados para a realização da cirurgia da próstata, já que esta é a técnica tida como mais eficaz na remoção de células cancerígenas na região.

De igual maneira, a operação pode ser recomendada a pacientes com hiperplasia da glândula, disfunção que gera um crescimento atípico da glândula, que faz parte do sistema genital masculino. Quando o aumento se torna grave, há prejuízos à qualidade de vida e remédios não dão conta de resolver o problema, a cirurgia da próstata pode ser benéfica.

A próstata é a glândula incumbida de fabricar e armazenar um dos fluídos que compõem o sêmen. Por isso, quando ela for retirada, o homem não terá mais esperma na hora do orgasmo.

Como funciona a cirurgia da próstata

A prostatectomia radical consiste, portanto, em extrair a glândula exócrina através do canal uretral sempre que esta for sugerida pelo médico como a melhor opção. Em geral, o paciente recebe alta dois dias após o procedimento e depois de uma semana já pode retomar algumas atividades de rotina.

Ainda que ajude de 90% a 95% dos pacientes, pode haver sequelas na cirurgia da próstata. O risco de impotência deve ser mencionado. Ainda que não diretamente relacionado à retirada, a operação pode comprometer a vida sexual quando o nervo que permite a ereção é atingido durante o procedimento. Também há riscos de incontinência urinária.

Por que fazer a cirurgia da próstata?

Além de ser um método eficaz de afastar os riscos de doenças como o câncer, a cirurgia da próstata tem como outro benefício importante o retorno da qualidade de vida.

Logo depois da operação, o paciente já reduz suas idas ao banheiro, incômodo persistente entre os homens atingidos pelos problemas na próstata. Por isso, é muito importante procurar um médico sempre que sentir sintomas como a vontade exagerada de ir ao banheiro, pois a demora pode prejudicar também rins e bexiga.

A identificação de alterações na próstata é feita com exames de PSA (antígeno prostático específico) e teste de toque retal. Essas avaliações médicas devem ser feitas anualmente depois dos 45 anos, para a detecção precoce de anomalias.

Nos casos de sinalização de aumento exagerado ou de inadequações na próstata, a biópsia é indicada. Em situações em que há diagnóstico de câncer, o urologista deve analisar o grau de malignidade do tumor, que varia de 2 a 10 na escala Gleason – quanto maior, mais agressivo.

As causas da enfermidade ainda não são totalmente conhecidas. Há suspeitas de correlação com aspectos genéticos e até com a alimentação, em casos de deficiência de selênio e vitamina A na dieta.

 

 


Sites parceiros