[the_ad_group id="16401"]
Tabagismo

Saiba se você é um fumante passivo

Por Redação Doutíssima 21/12/2014

Muitos estados brasileiros já possuem leis que proíbem o consumo de cigarros em ambientes fechados. Mas apesar disto, muitas pessoas ainda são obrigadas a conviver com outras que possuem o hábito de fumar, o que as leva ao quadro de fumante passivo.

 

O tabagismo passivo corresponde à exposição de pessoas não fumantes ao ar contaminado pela fumaça do cigarro. Assim sendo, um fumante passivo também está exposto a alguns dos variados males associados ao cigarro.

 

fumante passivo

Mesmo sem o hábito de fumar, as pessoas que convivem com fumantes adoecem. Foto: iStock, Getty Images

Fumante passivo, mesmo sem o hábito de fumar

 

Como já dito, uma pessoa é considerada um fumante passivo quando, mesmo sem o hábito de fumar, fica exposta, com frequência, ao ar infestado pela fumaça do tabaco, sendo que este ar é composto tanto pela fumaça que emana do cigarro  quanto pela que a pessoa solta após tragá-lo.

 

O cigarro em combustão libera mais de 4 mil substâncias químicas, capazes de irritar os olhos e as vias respiratórias. Além disto, a fumaça do cigarro contém mais de 50 agentes capazes de provocar câncer no ser humano e nos animais.

 

Não existe nenhum nível seguro de exposição ao tabagismo passivo. Muito pelo contrário, pois alguns estudos indicam que esse ar contaminado pela fumaça do tabaco é ainda mais prejudicial que a fumaça que o fumante ativo coloca para dentro dos seus pulmões, porque possui maiores concentrações das substâncias prejudiciais à saúde contidas no cigarro.

 

Mesmo pequenas exposições à fumaça do tabaco podem trazer riscos à saúde, aumentando a ocorrência de doenças e a mortalidade. Quem fuma passivamente normalmente também apresenta alguns problemas imediatos, como irritação nos olhos, no nariz, na garganta ou nos pulmões.

 

Dependendo da tolerância da pessoa à fumaça do cigarro, é possível também a presença de dor de cabeça e náuseas. Além disto, o fumante passivo apresenta mais alterações respiratórias e cardíacas se comparado com pessoas que não convivem com o ar contaminado pela fumaça do tabaco.

 

O fumante passivo e o ambiente

 

Alguns dos principais locais de risco para o fumante passivo são a residência e o ambiente de trabalho, sendo que a intensidade da exposição dependerá da quantidade de cigarros fumados, do tamanho do local, da circulação do ar no ambiente e da duração do tempo de exposição.

 

No entanto, em restaurantes, bares e casas noturnas o índice de exposição à fumaça do cigarro também é elevado, pois mesmo que estes locais disponham de espaços reservados para fumantes, com ventilação adequada, a concentração de agentes tóxicos no ar é muito elevada.

 

Estudos ainda mostram que o fato de alguém viajar por apenas uma hora em um carro com um fumante o expõe ao risco do tabagismo passivo. Fumantes no carro, ou em outros veículos, são uma potencial ameaça à saúde dos outros passageiros. A exposição sofrida pelo fumante passivo aumenta também o risco de perda da visão, por degeneração da retina. 

 

No que se refere às crianças, o problema é ainda maior. Caso elas se enquadrem como fumantes passivos, a chance de desenvolverem uma pneumonia, bronquite e asma são potencializadas. No caso de mulheres grávidas que fumam, o feto pode ser considerado um fumante passivo, o que pode causar uma série de problemas ao longo da gravidez e no parto.

 

As principais doenças que ameaçam o fumante passivo  são o câncer de pulmão, infarto e enfisema pulmonar. Por isto, se proteja da exposição passiva à fumaça do cigarro, pois esta medida é fundamental para se evitar doenças pulmonares, cardiovasculares e o risco de mortalidade.

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão Doutíssima!


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]
[the_ad_group id="16404"]