Inúmeros mitos cercam a prática de sexo na banheira. Não é à toa, afinal a água pode ajudar ou complicar o ato. Tanto nas fantasias de homens quanto nas de mulheres, o ambiente submerso é visto como uma forma de se aquecer durante o frio e se refrescar no calor. Piscinas e mares também estimulam o prazer, mas podem ser perigosos.

 

O líquido, além de não facilitar a penetração, pode provocar irritação e infecções, porque a água pode entrar no ânus ou na vagina. Além disso, fica mais difícil colocar o preservativo e lubrificar a região genital, o que favorece o aparecimento de doenças e o desenvolvimento de uma gravidez indesejada.

sexo na banheira
Relações sexuais na banheira podem facilitar a ocorrência de infecções genitais. Foto: iStock, Getty Images

Saiba quais são os prós e os contras do sexo na banheira e aproveite um momento subaquático.

 

Sexo na banheira facilita posições

Fazer sexo na água pode ter vantagens. O psicoterapeuta sexual e diretor do Instituto Paulista de Sexualidade (Inpasex), Oswaldo Martins Rodrigues Jr., garante que a imersão faz com que as pessoas se sintam mais leves em função da diferença na densidade.

 

Com essa sensação, a movimentação e as posições se tornam mais fáceis, principalmente para quem está acima do peso.

 

Quando percebe que tem maior mobilidade estando submersa, a pessoa aumenta a sensualidade, percebendo melhor as sensações do corpo. Assim, é possível relacionar a água ao sexo, sentindo prazer na combinação.

 

O sexo na banheira permite utilizar as bordas como apoio para o tórax, ficar de joelhos e variar melhor as posições. Se ficar abaixo da água, é possível reduzir a sensação do peso corporal do outro, melhorando a movimentação e o encaixe para penetração.

 

Algumas experiências, porém, podem ficar limitadas na banheira. Se forem utilizados perfumes, sais de banho e outros produtos aromatizantes, o sabor da pele não fica gostoso e pode comprometer as preliminares. No entanto, os sentidos olfativos e sensoriais ficam mais aflorados.

 

Um cuidado especial deve ser tomado com a colocação do preservativo. Ele deve ser deslizado sobre o pênis ainda seco, para que não saia durante os movimentos da penetração.

 

Riscos do sexo na banheira

A proteção sob a água não é muito eficiente. Além de a camisinha enrolar com maior facilidade e sair do pênis, é possível contrair uma doença sexualmente transmissível ou engravidar.

 

Uma pesquisa da Universidade de Minnesota, nos Estados Unidos, descobriu que os espermatozoides podem sobreviver na água. Ou seja, fazer sexo na banheira não descarta o uso de preservativos por não ser um método contraceptivo eficiente.

 

O motel é um local para a prática sexual na água. No entanto, os médicos não recomendam fazer sexo na banheira desse lugar porque os riscos de uma infecção por bactérias são muito maiores que em qualquer outro ambiente.

 

Além disso, com o movimento da penetração, a água é bombeada para dentro do canal da vagina, podendo atingir o colo do útero e as trompas, provocando uma inflamação.

 

Quando isso acontece, a mulher pode sentir dores intensas após o sexo. Nesse caso, é necessário procurar um ginecologista com urgência. O sexo anal é igualmente perigoso, pois a água pode ser bombeada para o intestino.

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!


DEIXE UMA RESPOSTA