[the_ad_group id="16401"]
Dieta

Dieta dissociada promete ajudar na digestão e no bem-estar

Por Redação Doutíssima 14/08/2015

Proteínas e carboidratos formam uma dupla quase sempre presente no cardápio das pessoas. Mas segundo a dieta dissociada, esses tipos de alimentos jamais devem ser consumidos juntos por quem deseja perder peso. Acredita-se que a combinação pode criar uma substância que estimula o corpo a estocar gordura.

 

A dieta dissociada é baseada em um sistema desenvolvido por William Howard Hay, médico de Nova York, no início de 1900. O princípio desse regime é evitar o consumo de alimentos ácidos e proteínas com carboidratos, como amidos e açúcares. A dieta pode ajudar você a perder peso rapidamente e tem benefícios para a saúde a longo prazo.

dieta dissociada

Plano alimentar baseado nos mecanismos da digestão proporciona a perda de peso. Foto: iStock, Getty Images

 

Dieta dissociada: regras básicas

Desde o século passado, várias versões da dieta dissociada vêm surgindo. Seus princípios, porém, são sempre os mesmos. A ideia delas é que, durante o plano alimentar, é proibido o consumo simultâneo de carboidratos, gorduras e proteínas.

Na verdade, essas substâncias devem formar apenas uma pequena parte de sua refeição – a maior parte dela deve ser composta de frutas e legumes.

 

Além disso, é necessário evitar alimentos processados ​​e refinados, como aqueles feitos de farinha branca, açúcar e margarina, e esperar quatro horas entre cada refeição. Quanto aos carboidratos, é preciso observar ainda que seu consumo é proibido após às 18h.

 

A dieta dissociada é baseada na análise dos mecanismos que usamos para digerir alimentos. As proteínas devem ser digeridas em um meio ácido, para que possam ser ligeiramente neutralizadas pela presença de amidos e de açúcares, que vêm de substâncias alcalinas. Os carboidratos, por outro lado, devem ser digeridos em um ambiente alcalino.

 

Em outras palavras, se você comer uma grande quantidade de carboidratos e proteínas misturados em uma mesma refeição, estará criando um ambiente que é muito ácido para reduzir o amido e muito alcalino para a boa digestão da proteína.

 

Prós e contras da dieta dissociada

Esse tipo de regime alimentar é baseado nos processos fisiológicos do corpo humano. No entanto, no contexto da medicina e da pesquisa científica, a teoria apresenta controvérsias porque muitos alimentos possuem mais de uma substância, dificultando a separação proposta.

 

Vários estudos têm sido realizados para estudar os efeitos desses planos alimentares Um artigo publicado no International Journal of Obesity, por exemplo, sugere que a dieta dissociada não conduz à perda de peso ou gordura adicional se comparada a dietas que envolvem o consumo de alimentos similares em uma única refeição.

 

Os benefícios da dieta consistem, principalmente, em melhorar a digestão e potencializar a perda de peso. A combinação de alimentos pode ajudar a reduzir as toxinas derivadas da fermentação dos alimentos no intestino e, como consequência, a perder gordura abdominal causada por distensão intestinal.

Além disso, é capaz de ser uma boa opção para quem sofre com gastrite, uma vez que divide os alimentos de acordo com as regras de digestão.

Mesmo não possuindo qualquer contraindicação, esse plano alimentar precisa ser feito com acompanhamento profissional para estar livre de riscos. O excesso de proteína, por exemplo, é capaz de sobrecarregar fígado e rins. Além disso, crianças, grávidas, lactantes e pessoas que sofrem com diabetes não devem segui-lo.

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]
[the_ad_group id="16404"]