Qualidade de vida

Terapias alternativas: música ajuda a aliviar o estresse e a dor

Por Redação Doutíssima 15/09/2015

Terapias alternativas podem auxiliar pessoas a superar traumas e lidar melhor consigo mesmo e com o mundo. Em 15 de setembro é celebrado o Dia Mundial do Musicoterapeuta, profissional que usa os sons combinados de voz e instrumentos para promover a saúde mental e física.

 

Efeitos da música como terapia alternativa

Um estudo da Nordic School School of Public Health, na Suécia, cita que já são conhecidos há alguns anos os efeitos de música e canções na redução de hormônios do estresse em crianças. Foi constatado também que pacientes de derrames conseguem se comunicar melhor através de sons ritmados do que da fala na maioria das vezes.

terapias alternativas

Uso da música como técnica terapêutica ajuda a pessoa a lidar melhor com questões pessoais. Foto: iStock, Getty Images

O estudo ainda aborda os efeitos dos ritmos como facilitadores dos movimentos para pacientes com Parkinson. Em jovens, foi comprovado que a música ajuda a construir uma identidade em comunidades com problemas psicossociais.

Outro estudo avaliou os efeitos da terapia alternativa com música em um hospício no Japão. Aplicada em dez pacientes, a pesquisa observou a redução da ansiedade e depressão nos indivíduos.

Ainda foi perceptível uma melhora no ânimo dos envolvidos. A conclusão é de que a musicoterapia é benéfica para melhorar a qualidade de vida dos internos.

Por que terapias alternativas funcionam?

Desde o primeiro dia de vida, o cérebro já detecta diferentes ritmos. Há indícios de que mesmo antes de nascer, os bebês já identificam sons, que mais tarde reconhecem. Quando as mães cantam canções de ninar, é perceptível o efeito calmante que a música exerce em crianças pequenas.

O corpo humano também se adapta aos sons musicais. Quando você caminha na rua ouvindo uma música, as batidas dela são capazes de determinar o ritmo dos seus passos. A música não tem efeito apenas no cérebro, ela atinge as funções motoras do corpo.

Ritmos musicais também são capazes de gerar efeitos fisiológicos. Os mais comuns são aceleração dos batimentos cardíacos, respiração rápida e arrepios pelo corpo. Terapeutas qualificados conseguem usar essas respostas corporais para estimular ou relaxar.

A música ainda mexe com as emoções. Sorrir, chorar e experimentar alguns sentimentos despertados por uma canção é comum. Essa capacidade ajuda terapeutas musicais a acessar o centro emocional das pessoas.

Outro benefício dos sons ritmados é aumentar a capacidade de concentração e ajudar na aprendizagem. A música é muito utilizada nos primeiros anos escolares para ajudar a fixar os conteúdos, como o alfabeto e as cores.

 

terapias alternativas infográfico doutíssima 

Outras terapias alternativas

Em busca de opções para combater o estresse, problemas de saúde ou complicações emocionais, as terapias alternativas oferecem variados métodos de trabalhar as questões desejadas pelo paciente. Cada uma delas oferece especialidades distintas, capazes de melhorar a qualidade de vida.

Acupuntura, equoterapia, terapia floral, reiki, shiatsu, aromaterapia e cromoterapia são algumas das opções para quem busca mais equilíbrio. Converse com um especialista e entenda melhor como funciona cada uma delas.

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar! 

 

É fã do Doutíssima? Acompanhe o nosso conteúdo pelo Instagram!


Sites parceiros