Cabelos

Minoxidil: vasodilatador ajuda no combate à calvície

Por Redação Doutíssima 19/09/2015

A calvície é um incômodo estético que, ao contrário do que muitos pensam, independe da idade. Levantamentos sugerem que cerca de 10% dos casos de queda dos cabelos são observados antes dos 20 anos, enquanto aproximadamente 20% a 30% ocorrem entre os 30 anos, e 60 a 70% após os 40 anos. Diante desse quadro, o minoxidil ganha visibilidade.

 

Inicialmente usado por pacientes hipertensos, o minoxidil é um medicamento vasodilatador, ou seja, que estimula o fluxo sanguíneo. Seu uso como alternativa de tratamento para a calvície surgiu por conta da observação de que os pacientes que utilizam o comprimido para tratamento de hipertensão verificaram o crescimento de pelos no couro cabeludo.

minoxidil

Medicamento que estimula crescimento do cabelo necessita de acompanhamento médico. Foto: iStock, Getty Images

 

Mitos e verdades sobre o minoxidil

Após a constatação de que o medicamento poderia estimular o crescimento dos cabelos, o ativo passou a ser receitado em forma de loção, para ser aplicado diretamente no couro cabeludo. A concentração varia de 2 a 5% e precisa utilizada diariamente nas zonas afetadas pela calvície.

Até hoje, a ciência não tem uma resposta exata em relação à eficácia do minoxidil. Durante muito tempo, acreditava-se que sua ação vasodilatadora era responsável por estimular o crescimento dos cabelos, por conta do oxigênio levado através da circulação sanguínea até os folículos capilares.

No entanto, diante do fato de que outros medicamentos vasodilatadores não produzem efeito algum sobre o crescimento do cabelo, a teoria cai por terra. Outra hipótese, então, é a de que o medicamento teria a capacidade de abrir canais de potássio nas membranas celulares, o que influenciaria no ciclo de vida dos cabelos.

O fato é que nenhuma das hipóteses é cientificamente comprovada. Tudo o que se sabe é que, de alguma forma, o medicamento em forma de loções oleosas ou alcoólicas é capaz de estimular o crescimento dos pelos. Mas o tratamento não é definitivo: quando suspendido o uso, a queda de cabelos volta a ocorrer.

 

As reações dos pacientes ao minoxidil também variam. Alguns relatam perceber, inicialmente, uma queda de cabelo acentuada no início do tratamento. Em seguida, começam a aparecer os efeitos do produto, ou seja, o crescimento de novos folículos capilares na cabeça.

 

Minoxidil: efeitos colaterais e contraindicações

Antes de iniciar um tratamento para calvície com esse medicamento, é imprescindível consultar um médico. Especialmente para pesar os prós e contras do uso da loção, visto que já foram observados alguns efeitos colaterais em decorrência da utilização.

 

Dependendo da concentração de uso do produto, pode ocorrer o crescimento de pelos em áreas indesejadas do corpo (especialmente no rosto), dores de cabeça, coceira e oleosidade no couro cabeludo. O uso é contraindicado, também, diante da presença de feridas ou inflamações no local.

 

Como não há estudos que abordem a possível intervenção do minoxidil em gestantes e mulheres em fases de lactação, o uso do medicamento é contraindicado nesses casos. É importante lembrar, também, que os efeitos da loção podem demorar a ser observados.

 

Os efeitos podem se manifestar no período de dois meses a um ano. Por isso, é preciso manter o uso prolongado do medicamento para obter bons resultados no crescimento dos cabelos. Isso, é claro, com o acompanhamento médico adequado.

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar! 

 

É fã do Doutíssima? Acompanhe o nosso conteúdo pelo Instagram!


Sites parceiros