Dica do Nutricionista

Salsicha: saiba quais são os riscos desse alimento para a saúde

Por Redação Doutíssima 17/10/2015

Salsicha é aquele alimento fácil de preparar, com preço acessível e que não precisa de acompanhamentos requintados. Mas fora essas vantagens, o produto não é recomendado para o consumo frequente por não oferecer benefícios para a saúde.

Para entender porque a salsicha não deve fazer parte da rotina alimentar, é preciso primeiro entender como ela é feita. Segundo a nutricionista Alice Bayer Monteiro, esses cilindros avermelhados são feitos de carnes de boi, frango e/ou porco.

Mas os fabricantes usam principalmente cortes que sobram da indústria de carnes, como bochechas, vísceras e restos que ficam grudados nos ossos dos animais. Depois de ser processada, a mistura recebe diversos aditivos como temperos, sal, amido, proteína de soja, conservantes, aromatizantes, corantes, antioxidantes, atiumectantes e estabilizantes.

salsicha istock getty images doutíssima

Salsicha é considerada nociva para a saúde e pode desencadear doenças. Foto: iStock, Getty Images

Por fim, um tubo feito de celulose ou com o próprio intestino do animal é preenchido para receber o formato. Linguiça e outros produtos com essa forma comprida são envolvidos no mesmo material, mas o conteúdo interno é bem diferente.

O ingrediente fundamental do famoso cachorro-quente pode ter um sabor delicioso, mas esse se deve, em grande parte, à adição de químicos e temperos citados acima. Esses aditivos, facilmente encontrados em produtos industrializados e processados são considerados nocivos para a saúde e podem desencadear o aparecimento de doenças.

Efeitos da salsicha na alimentação

Ao ser questionada sobre os prós e contras desse alimento, a nutricionista é direta: “não vejo benefícios”. Alice ressalta que a salsicha é muito artificial, riquíssima em gordura saturada, colesterol, sódio e conservantes, ingredientes muito prejudiciais para a saúde.

“Principalmente pessoas com hipertensão arterial, alteração de colesterol ou triglicerídeos não devem consumir salsicha”, afirma a especialista. Segundo Alice, esse tipo de produto não faz parte de uma alimentação mais natural e saudável.

Salsicha está fora do cardápio?

Mesmo não contendo nenhum benefício para o corpo, Alice afirma que não gosta de trabalhar com a ideia de alimentos proibidos. Ela explica que se for muito ocasional, o consumo da salsicha não é tão problemático para a saúde.

A nutricionista ainda diz que se for para comer salsicha, as de frango são mais indicadas pelo teor de gordura reduzido em relação às demais. Ao optar por consumir o produto, leia a lista dos ingredientes e escolha a versão com a menor quantidade de sódio, gordura saturada e colesterol.

Todos os produtos industrializados contém a lista de ingredientes no rótulo, sempre em ordem descrescente. Ler essa informação é uma forma de estar consciente de que tipo de alimento você está consumindo e quão benéfico ou prejudicial ele é para a saúde.

Alice dá duas dicas para fazer melhores escolhas no supermercado. Quanto menor a lista de ingredientes, melhor. Por fim, ela ensina que os nomes desconhecidos do público em geral devem ser evitados. 

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar! 


Sites parceiros