Filhos

Dermatologista alerta sobre as doenças de pele em crianças no verão

Por Francine Costanti 13/03/2019

O verão costuma ser a época preferida das crianças para brincarem ao ar livre. Mas é também nessa época que elas estão mais propensas a desenvolver algumas doenças de pele, cabelo e unha. Isso se dá por conta da exposição intensa ao sol e do contato com muitas pessoas diferentes.

A dermatologista Ana Mósca, coordenadora do Departamento de Dermatologia Pediátrica da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), orienta que a criança evite compartilhar toalhas, escovas de cabelo e roupas. “Também é importante redobrar a atenção e os cuidados no retorno às aulas. Muitas voltam das férias com doenças que podem ser transmitidas durante o contato com as outras crianças em escolas e creches”.

adaptação escolar

Doenças podem ser transmitidas durante o contato com as outras crianças em escolas e creches. Foto: iStock

Principais doenças de pele, cabelos e unhas em crianças:

Doenças contagiosas

Pediculose (piolho) – Conhecida popularmente como piolho, é uma doença parasitária causada por insetos sugadores de sangue que vivem e se reproduzem na superfície da pele e dos pelos. A transmissão da doença ocorre por contato direto e os sintomas são coceiras que podem provocar ferimentos. Segundo a Dra. Ana, para prevenir, é necessário evitar o compartilhamento de escovas, roupas, bonés, toalhas e contato direto com o cabelo das crianças infestadas. “Uma outra dica é não ir de cabelo molhado para a escola, porque a umidade favorece a proliferação do inseto”, orienta.

Molusco – É uma infecção comum, causada por vírus. Pode ser confundida com pequenas espinhas, cravos ou bolinha branca de gordura e pode se espalhar. O contato direto é a forma de contágio mais comum para esse tipo de infecção, por isso, evite coçar e mexer nas lesões. A dermatologista recomenda que os responsáveis procurem um dermatologista para tratar com medicamentos ou remover as lesões.

Impetigo – É uma infecção bacteriana superficial, altamente contagiosa e muito comum na face ou extremidades da pele de crianças. O verão é a estação propícia para o desenvolvimento da doença, uma vez que o calor e a umidade favorecem a instalação e o desenvolvimento dos agentes infecciosos. Também pode ocorrer após picadas de inseto, ferimentos superficiais (arranhões e pequenos cortes) ou como infecção secundária aos quadros de dermatite ou alergia a picada de inseto. Causa crostas e, por vezes, bolhas. Para prevenção é preciso manter a pele limpa e evitar coçar as lesões.

Impingem – Nome popular para dermatofitose ou tinea, uma micose superficial, caracterizada por manchas vermelhas que se acentuam e crescem nas bordas. Ela produz intensa coceira e é bastante contagiosa. Pode acometer qualquer local da pele, mas é mais frequente entre os dedos dos pés (nesse caso é conhecida como frieira ou pé de atleta), virilha e outras regiões de dobras. A transpiração, o calor e a umidade são alguns fatores que favorecem o crescimento do fungo, que é seu agente causador. Uma boa higiene é fundamental para que as micoses não apareçam, assim como secar cuidadosamente o corpo após o banho, em especial as regiões de dobras como axilas, virilha, entre os dedos dos pés e nádegas.

internet-para-crianças-istock-getty-images-doutissima

Uma boa higiene é fundamental para que as micoses não apareçam. Foto: iStock

Escabiose (sarna) – É uma parasitose no qual o contágio se dá somente entre humanos, por contato direto com pessoas ou roupas e outros objetos contaminados. As principais lesões na pele são pequenas crostas isoladas ou formando túneis e, nas suas extremidades, pequenas vesículas que coçam, principalmente à noite. Em geral outros membros da família também são acometidos. Importante: animais como gato e cachorro não transmitem a sarna humana.

7 passos para criar uma rotina de alimentação saudável para crianças

Verrugas – São proliferações benignas da pele causadas pelo papilomavírus humano (HPV). Seu aspecto varia de acordo com o local acometido. Costumam se apresentar sem sintomas. Porém, não é anormal que, ocasionalmente, haja sangramento ou dor. Frequentemente são vegetantes (aspecto de couve-flor), ásperas, da cor da pele, mas também podem ser planas, macias e escuras. As lesões clínicas decorrentes da infecção pelo HPV podem se apresentar de diferentes formas. Para prevenir a transmissão, evitar o contato com pessoas ou objetos infectados.

Doenças não contagiosas:

Alergia – Doença comum em crianças que utilizam maquiagem e esmalte de adulto ou pintam os cabelos. Isso porque a pele dos mais jovens tende a ser mais fina e porosa, o que faz com que absorva mais as substâncias químicas dos produtos. Por isso, a SBD recomenda que crianças utilizem apenas produtos infantis e específicos para a sua faixa etária e evitem tintura ou descoloramento dos cabelos.

Pitiríase versicolor (pano branco) – Popularmente chamada de “pano branco”, é um tipo de micose oportunista causada por uma levedura e é comum nos climas quentes e úmidos. São manchas brancas que descamam, especialmente nas áreas mais oleosas do corpo e no couro cabeludo. Geralmente, o indivíduo já tem a doença consigo, e, quando se bronzeia, percebe as manchas arredondadas, ovais ou de aspecto geográfico.

Brotoeja – São bolinhas de água e/ou vermelhas que podem apresentar coceira. Aparecem com maior frequência no verão ou em situações que elevem a temperatura.  Excesso de roupas, suor e febre alta podem ser fatores desencadeantes. Para prevenção, o ideal é manter as crianças em ambientes frescos e arejados.

Hiperidrose – A hiperidrose nada mais é do que uma a produção excessiva de suor. Durante o verão, por conta das férias e atividades ao ar livre, é muito comum o aparecimento dessa condição nas crianças. A desidratação é o principal sintoma, então é aconselhável que os responsáveis fiquem atentos ao oferecimento frequente de líquidos para ingestão.

O melhor remédio é sempre a prevenção, por isso é importante que a criança seja acompanhada por um dermatologista. Assim ela pode brincar com mais liberdade, segurança e saúde.

Idosos e crianças sofrem mais com a desidratação no verão


Sites parceiros