Motivação

Você é um procrastinador? Entenda o que causa o adiamento de decisões importantes

Por Redação Doutíssima 20/08/2014

A procrastinação é a ação ou o hábito do adiamento de atividades ou decisões importantes, substituindo-as por outras situações mais agradáveis, porém irrelevantes. Medos, inseguranças, não reconhecimento das nossas próprias vulnerabilidades: todas essas podem ser causas que nos levem a ter esse tipo de comportamento.

Começar uma dieta, fazer um exame, deixar de fumar – todas essas decisões ou ação estão nessa lista daquelas que são importantes, mas que normalmente são relegadas a um segundo plano. Se você se enquadra nessa situação, acredite, você pode ser considerado um procrastinador.

adiamento

Adiar decisões e tarefas importantes é comportamento comum do procrastinador. Foto: Shutterstock

Uma explicação filosófica

Não se sabe ao certo, mas acredita-se que é possível que esse intenso apelo ao adiamento guarde relação com a dificuldade de saber fazer uma boa escolha e, além disso, com a grande quantidade de opções que a sociedade de consumo nos apresenta para escolher. É como na clássica fábula que narra a história de um burro que foi colocado diante de dois sacos de feno e, como não se decidiu por qualquer um deles – adiou a decisão –, acabou morrendo de fome.

Essa é a teoria do psicólogo norte-americano Barry Schwartz, que publicou o livro “Por que mais é menos”, centrado na ideia de que estar diante de tantas possibilidades gera mais angústia que realização.

Uma explicação biológica

Diferentes estudos e pesquisas sugerem uma possível relação entre a procrastinação e alguns dos transtornos comportamentais – ansiedade, baixa autoestima, perfeccionismo etc. Além disso, fatores psicológicos como os medos do fracasso e dificuldade e do sucesso, a falta de motivação ou a dificuldade de concentração, bem como o esgotamento profissional, também podem estar envolvidos.

Como consequência, a pessoa desenvolve estresse, sentimento de culpa e perda de produtividade. Além disso, perante a sociedade, é vista como evasiva quanto às responsabilidades, ficando estigmatizada como alguém sem ambição. E o resultado disso tudo é um só: o aumento da própria procrastinação.

Mas o adiamento é sempre negativo?

Embora não seja bem visto por certas camadas da sociedade, o adiamento nem sempre é negativo. Se estamos falando de decisões que vão ter uma grande repercussão, que têm um componente estratégico e, principalmente, se guardam relação com a inovação e implicam uma grande dose de criatividade, não é bom tomá-las com pressa.

Optar pelo adiamento desse tipo de decisões é benéfico, sempre e quando isso não seja uma manobra para não confrontá-la – como é o caso, por exemplo, daquela decisão de largar o cigarro que falamos lá na abertura do texto.

Como se organizar para evitar o adiamento negativo

Organize-se e elenque os níveis de decisões que você precisa tomar. Nem todas as decisões são iguais, como falamos acima: algumas são passíveis de serem adiadas, em razão de sua magnitude, mas outras não.

– Seja consciente das suas próprias limitações.

– Não tenha medo de se equivocar, tampouco paralise-se diante de uma decisão importante. O equívoco é uma parte do processo de saber e aprender a escolher, e em muitos casos é possível ajeitar as coisas que não funcionaram.

– Aprenda a desfrutar da vida, já que muitas vezes o adiamento das decisões vem pelo medo de escolher alguma coisa que te faça feliz.

 

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!


Sites parceiros