Bem-Estar > Motivação

Benefícios da ocitocina no organismo e como produzi-la

Por Tatiana Barros 05/12/2017

O sentimento de felicidade é muito mais do que um estado de espírito e está intimamente ligado à nossa biologia. Isso porque o nosso corpo produz e libera hormônios responsáveis por àquela sensação de bem-estar e assim afasta problemas comuns dos nossos tempos, como a ansiedade, o estresse e a depressão. E um desses hormônios age como um líder em nosso corpo, especialmente na mulher: a ocitocina.

Amamentar libera ocitocina.

Amamentar libera ocitocina. Foto: iStock

Conhecido ainda como o “hormônio do amor”, esse é um composto cerebral diretamente ligado às emoções, sendo essencial para fortalecer laços afetivos e emocionais. Embora ajude a reduzir a agressividade masculina, é na mulher que a ocitocina age com seu máximo poder e isso tem uma explicação: é ela que é liberada durante o parto e a amamentação.

Benefícios da ocitocina para a saúde

Entenda por que esse é um hormônio tão importante:

Facilita o parto

É ela que estimula a contração do útero, na hora do parto e é tão importante que, em algumas situações, ela é usada para induzir em caso de demora para iniciar o trabalho de parto.

Melhora o desempenho sexual

Ela é boa não apenas para as mulheres, como também para os homens, por agir em conjunto com os hormônios sexuais. A ocitocina ajuda até mesmo na lubrificação vaginal e é um facilitador a mais para alcançar o orgasmo.

Melhora o convívio social

Esse é um hormônio importante para o tratamento de transtornos psiquiátricos, por ajudar a melhorar o humor, promover o bem-estar e impulsionar o restabelecimento dos contatos sociais.

Como produzir ocitocina

Quer saber como ajudar a produzir mais o hormônio do amor? É muito mais simples do que parece e, mais: garante momentos agradáveis com pessoas importantes para você.

Abraçar

Isso mesmo! O simples hábito de abraçar é uma das melhores maneiras para liberar esse hormônio. Mas não apenas isso. Para estimular ainda mais, vale massagens, cafunés, beijo, sexo e todos os outros tipos de contatos físicos que proporcionem à pessoa uma sensação de bem-estar.

Ser generoso

Você já deve ter ouvido falar que praticar o bem faz bem não apenas para a pessoa que recebe, como também para quem pratica. E isso tem até mesmo uma explicação biológica. Ajudar o outro é uma das formas de elevar os níveis de ocitocina na circulação sanguínea. Isso acontece porque o nosso cérebro interpreta estas ações como formas de inspirar confiança ao corpo.

Amamentar

Já falamos que a ocitocina é importante para o trabalho de parto. E ela é liberada também durante a amamentação, com o movimento de sucção que o bebê faz para se alimentar. Essa sucção ativa uma região do cérebro chamada hipotálamo, e assim a ocitocina é liberada na corrente sanguínea. E é justamente isso que faz com que mais leite seja produzido, à medida que o bebê mama. O vínculo entre a mãe e o bebê também é intensificado e para a mulher, esse hormônio promove o relaxamento e segurança.

Alimentação saudável

Uma dieta rica em nutrientes também ajuda na produção dos hormônios da felicidade, não apenas a ocitocina, como também a dopamina, a serotonina e a endorfina. Por isso, invista em uma alimentação rica em alimentos como aveia, banana, oleaginosas, peixe do mar, vegetais de cor verde, chocolate amargo e laranja.

Amizade

Estudos recentes têm mostrado que quando as mulheres estão reunidas, elas têm o poder de produzir uma quantidade maior de ocitocina. Por isso, manter amizades é tão importante para a saúde física, mental e emocional.


Sites parceiros