Filhos

Brinquedos educativos: veja dicas para acertar na escolha

Por Redação Doutíssima 18/10/2014

Mais do que uma forma de apenas ocupar as crianças, os brinquedos podem ter um papel fundamental no desenvolvimento dos pequenos, sobretudo quando pedagógicos. Ao oferecer brinquedos educativos à molecada, a aprendizagem é estimulada de forma lúdica e leve.

brinquedos-educativos

Brinquedos com funções lúdicas auxiliam no desenvolvimento infantil. Foto: iStock, Getty Images

Para muitos pedagogos, esse tipo de brinquedo não apenas contribui para o progresso cognitivo, mas também para o aprimoramento da coordenação motora e do raciocínio. Aos brinquedos educativos atribui-se, igualmente, o estímulo à socialização infantil.

É na infância que o ser humano mais absorve ensinamentos. Portanto, ensinar algo durante as brincadeiras na rotina da criança é uma maneira inteligente de incentivar sua adequada formação.

Como escolher os brinquedos educativos

O universo de objetos que servem para entreter e ensinar as crianças é amplo. Assim, o melhor é sempre considerar o perfil e as capacidades de cada uma antes de escolher os brinquedos educativos que a ela serão oferecidos.

Como orientação geral, é importante considerar que até os seis meses os sentidos do bebê não são muito desenvolvidos, de forma que eles só conseguem ver objetos próximos, sem poder identificar detalhes. Os movimentos dos olhos do neném são lentos. Portanto, não adianta investir em brinquedos muito elaborados.

Os móbiles coloridos, que não façam barulho em demasia, são perfeitos para esta fase. Os chocalhos, a partir do segundo mês de idade, quando o sentido da audição já começa a ser incrementado, e os brinquedos de apertar também compõem a lista de possibilidades para crianças em seu primeiro semestre de vida.

A partir dos seis meses, o bebê já pode sentar. Nesta fase, brinquedos de empilhar e os com peças grandes e coloridas são bem-vindos. Brinquedos musicais também são boas opções neste período.

Com nove meses, os pequenos costumam despertar interesse em vocalizar. Aí, um microfone de mentirinha pode ajudar a criança a se expressar – ainda que numa linguagem que não é decifrada por você. Antes do primeiro ano, a leitura de livros para bebês também pode se tornar uma brincadeira bem educativa.

Brinquedos educativos por idade

Com três anos, já se pode oferecer uma melhor ideia do funcionamento das coisas no mundo real com brinquedos como um miniposto de gasolina, que recria cenários e estimula a criança a respeitar regras sociais, como estacionar o carrinho nas vagas demarcadas, por exemplo.

Para crianças pré-escolares, brinquedos como varetas e o “torremoto”, que consiste em retirar peças sem deixar a torre desmoronar, são indicados por estimularem o raciocínio lógico.

O kit limpeza, composto de vassourinha, rodo e pá, deve ser disponibilizado a meninas e meninos, que aprendem com estes brinquedos educativos a necessidade de divisão das tarefas domésticas.

Os ioiôs, a partir dos quatro anos, aumentam a percepção visual e podem ajudar a relaxar. Já aos oito anos de idade, passatempos pedagógicos como anatomia dos bichos, kits que trazem réplicas da anatomia interna dos animais, prometem fazer com que a criança passe a gostar dos mistérios da ciência.

Depois, aos nove anos, os pequenos já são capazes de lidar com o cubo mágico, um dos brinquedos educativos mais estimulantes para o cérebro, pois exige muito raciocínio, além de trabalhar a paciência.

 

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!


Sites parceiros