Clínica Geral

Veja como a gastrite crônica se manifesta e como tratar

Por Redação Doutíssima 29/10/2014

Com sintomas mais leves que os da gastrite comum, a gastrite crônica é percebida por alguns desconfortos, principalmente no estômago. Após as refeições, quem apresenta a doença costuma sentir dor abdominal, uma sensação incomum de saciedade e estômago cheio (mesmo se não exagerar na comida).

gastrite-cronica

Incômodo no estômago é o principal sintoma dessa doença. Foto: iStock, Getty Images

Também é recorrente a azia, que provoca queimação desde a garganta até a barriga. Outro sinal são as fezes, que costumam ser negras e cheiram mal. Quando mais agravada, a doença pode provocar sangramentos no estômago. Devido a isso, pode também ocorrer anemia.

 

Nesse caso, o paciente que já apresentava a gastrite comum deve recorrer ao médico, já que este sintoma é praticamente exclusivo do estágio crônico.

 

Gastrite crônica pode ser prevenida com medidas simples

 

É possível evitar a gastrite crônica através de algumas atitudes no dia a dia, como fazer as refeições regularmente, mantendo um padrão de horário, e não se excedendo nas porções ingeridas, comendo mais vezes em menor quantidade.

 

Para ajudar a reduzir o desconforto no estômago que a gastrite provoca, recomenda-se mastigar bem os alimentos e ingerir mais frutas, verduras e carnes magras ao invés de comidas gordurosas, frituras, refrigerantes e café.

 

Além dessas medidas para prevenção, é importante notar que fumantes e alcoólatras são grande parte das pessoas diagnosticadas com gastrite crônica, já que o álcool e o tabaco diminuem a imunidade do corpo. O uso constante de anti-inflamatórios e aspirinas também é desencadeador da doença.

 

Para diagnosticar a gastrite crônica, é utilizado o exame de endoscopia, que visualiza a mucosa estomacal. Além disso, é avaliado o histórico clínico do paciente e pode ser necessária a realização de uma biópsia, que retira partes da mucosa do estômago para estudá-la em um microscópio.

 

Depois de diagnosticada a doença, o tratamento é feito através de medicamentos que protegem o sistema gástrico. De modo a criar uma espécie de barreira que impede que o ácido gástrico chegue às paredes estomacais, a cicatrização das feridas e a redução da inflamação acontecem com remédios ministrados após o diagnóstico.

 

Chá de espinheira santa ajuda a combater a gastrite crônica

 

Apesar de não proporcionar a cura, o chá de espinheira santa combate os principais sintomas da doença, que são as dores abdominais. Ele controla as úlceras e os refluxos, diminuindo a acidez do estômago e aliviando a sensação de inchaço. A infusão da espinheira santa funciona como calmante e analgésico.

 

O chá é fonte de tanino, uma substância que reduz a fermentação gastrointestinal e produz um efeito antisséptico que tonifica o estômago. Além disso, a espinheira santa tem potencial diurético. São também encontrados na planta minerais como sódio, cálcio e enxofre que nutrem o organismo.

 

A espinheira santa, cientificamente chamada de Maytenus ilicifolia, pode ser encontrada em casas naturais e algumas farmácias. Não é recomendável a ingestão do chá durante a gravidez ou no período de amamentação.

 

Outros alimentos que auxiliam no alívio da gastrite crônica são o mel, o azeite de oliva, o gel de babosa, o azeite de dendê e o pó de carvão (misturado ao leite). Todos estes devem ser consumidos ainda em jejum para um efeito mais rápido.

 


Sites parceiros