Prato que faz parte da história do Rio Grande do Sul, o arroz carreteiro já tem algumas centenas de anos e, desde os tempos em que foi largamente utilizado pelos carreteiros dos pampas, a receita foi sendo incrementada e transformada, embora sua essência seja sempre a mesma: carne bem temperada, picada e, depois de bem frita, cozida junto com o arroz.

 

A receita do arroz carreteiro surgiu quando mercadores ambulantes atravessavam o Rio Grande do Sul em carretas puxadas por bois. Para alimentar-se, o carreteiro valia-se muito do charque (carne bovina cortada em mantas, salgada e seca ao sol), não só pela sua abundância na época, mas pelo motivo de não estragar ao longo das viagens.

arroz carreteiro
Prato tradicional do Rio Grande do Sul pode ser inovado com temperos especiais. Foto: iStock, Getty Images

E era durante as carreteadas, que abriam caminho nos pampas gaúchos, que os carreteiros criaram essa receita. Eles precisavam de alimentação prática, fácil de fazer, e capaz de repor toda a energia que precisavam para seguir viagem.

O arroz carreteiro era feito em panela de ferro, o que ainda hoje é tradição no sul. O próprio prato se transformou em uma representação da gastronomia regional. Além disso, segundo informações da Associação Brasileira das Indústrias de Arroz Parboilizado (Abiap),a receita foi incorporada à cultura brasileira e hoje é consumida por todo o país.

 

O que não pode ficar de fora de um arroz carreteiro

Na feitura de um prato original, alguns ingredientes não podem ficar de fora. Primeiro, ele deve ser feito em um fogo de chão ou fogão à lenha. O segundo ingrediente tradicional é a panela de ferro, que, acreditem, dá um sabor especial ao prato. E por fim, se você quer fazer um autêntico arroz carreteiro, deve usar, obrigatoriamente, o charque no preparo.

 

1. O carreteiro contemporâneo

A contemporaneidade foi atribuindo ao prato algumas fórmulas que os vários amantes da gastronomia foram incorporando. Legumes, temperos especiais, algumas carnes agregadas e variadas (fazendo com carne de gado e linguiça, por exemplo), e a substituição do charque, que hoje, já tem o seu espaço tomado até mesmo (e como uma boa dica), pela carne que sobrou do churrasco.

 

2. Qual é o ponto?

O ponto certo do arroz é uma grande dúvida para os cozinheiros, especialmente os de primeira viagem que não conhecem as tradições desse prato. Então, para esses, vai a dica: o arroz deve estar cozido, bem soltinho e sem estar empapado

 

Receita do arroz carreteiro

Vamos deixar de conversa e ir direto ao que interessa. A fome está grande? Caneta e papel na mão e vamos aos ingredientes:

 

Ingredientes:

– 3 xícaras (chá) de arroz cru

– 2 colheres (sopa) de óleo de soja

– 1 kg de charque

– 2 dentes de alho picados

– 1 cebola ralada

– 7 xícaras (chá) de água fervente

– Sal a gosto

 

Modo de preparo:

Coloque o charque de molho, trocando a água várias vezes para tirar o excesso de sal. O ideal é fazer esse processo deixando na geladeira durante 24h. Cozinhe a carne até que esteja macia e pique em cubos (se preferir pode desfiar também). Refogue o alho e a cebola no óleo e junte o charque.

 

Acrescente o arroz e frite bem, mexendo sempre. Em seguida, adicione a água e cozinhe em fogo baixo. Antes de servir, coloque sobre o arroz a salsa picadinha. Sirva imediatamente.

 

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!


DEIXE UMA RESPOSTA