[the_ad_group id="16403"]
Clínica Geral

Tricomoníase: doença causa dor durante a relação sexual

Por Redação Doutíssima 28/07/2015

A tricomoníase é uma doença sexualmente transmissível causada pelo protozoário Trichomonas vaginalis, que ataca o colo do útero, a vagina e a uretra nas mulheres. Nos homens, o pênis é a região atingida. Por afetar justamente os órgãos sexuais, a maior queixa de quem é acometido pela doença é a dor na hora do sexo.

 

Causas e sintomas da tricomoníase

Embora a dor durante a relação sexual seja um dos sintomas mais conhecidos, ele não é o único nem o mais desconfortável. Ardência, dificuldade para urinar e coceira nos órgãos genitais são também sintomas comuns da tricomoníase, que é transmitida iminentemente pela via sexual.

tricomoniase

Doença transmitida no ato sexual causa ardência e coceira nos órgãos genitais. Foto: iStock, Getty Images

A transmissão acontece ao não usar camisinha, e o risco aumenta com o número de parceiros. De acordo com a médica ginecologista Márcia Cortoni Santos, é preciso lembrar que todas as formas de sexo transmitem a tricomoníase. “O contágio se dá via sexo vaginal, anal ou mesmo oral, por isso a camisinha é fundamental”, explica.

 

O diagnóstico da doença é feito por meio de consulta ao ginecologista, que pode solicitar exames complementares, lembrando sempre que a automedicação é contraindicada.

 

No caso das mulheres, a visita regular é indicada também para mapeamento de outras DSTs e lesões, como o HPV, que podem levar ao câncer de colo de útero.

 

Como tratar a tricomoníase

O tratamento da tricomoníase envolve o homem e a mulher. Apresentados os sintomas, segundo a ginecologista, não há resistência ao tratamento. “A aderência é imediata devido ao grande incômodo, a ardência no homem se assemelha à da gonorreia”, relata a médica.

 

Para interromper a transmissão e impedir a reinfecção da tricomoníase, ambos os parceiros precisam tratar a doença. No caso homem, o tratamento é feito por via oral (comprimidos) e nas mulheres, por meio de creme vaginal e por via oral.

 

A ginecologista alerta para o fato de que dose única não quer dizer um único comprimido, e sim um tratamento intensivo. “São quatro comprimidos em dois dias e sete dias de tratamento com creme vaginal para garantir um tratamento efetivo”, diz a médica.

 

Durante o tratamento da doença, relações sexuais não são indicadas – mesmo com o uso da camisinha. Isso não é só pelo desconforto, nem mesmo entre o casal infectado. “É obrigatório para o sucesso do tratamento”, pondera Márcia. A camisinha, no entanto, deve ser sempre utilizada se houver relações.

 

O Ministério da Saúde alerta para a existência de doenças sexualmente transmissíveis que não apresentam sintomas e que podem evoluir para complicações mais graves, como infertilidades, câncer e até mesmo a morte.

Algumas DSTs também podem passar para o bebê ou eventualmente complicar uma gravidez. O tratamento de doenças sexualmente transmissíveis no Brasil é gratuito em todo o sistema de saúde do SUS.

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!


[the_ad_group id="16349"]
[the_ad_group id="16404"]