Qualidade de vida

Saiba como reduzir o impacto da alta do dólar em sua vida

Por Redação Doutíssima 23/09/2015

Passou-se o tempo em que a alta do dólar só afetava quem lidava com negócios internacionais e compra e venda de produtos importados. A moeda tem impacto em negociações no mundo todo e a valorização dela em relação ao Real afeta o dia a dia de todos os brasileiros.

Nesta semana, a moeda norte-americana ultrapassou o valor de R$ 4, algo inédito desde o início do Plano Real, em 1994. 

Antes disso, em 2002, US$ 1 chegou à marca de R$ 4, mas não ultrapassou. No início do Plano Real, as moedas eram equivalentes, mas desde então a cotação flutua para cima e para baixo de acordo com cenários políticos e o mercado internacional.

dólar doutíssima istock getty images casal com documentos

Alta do dólar exige a tomada de medidas familiares para enfrentar a crise saudavelmente. Foto: iStock, Getty Images

 

Alta do dólar pesa no bolso de todos

O maior impacto da alta da moeda dos Estados Unidos é nas negociações diretas com a nação do presidente Obama e também nas viagens internacionais. Quem havia se programado para sair do Brasil pode até ter comprado passagens com uma cotação mais em conta, mas vai ter que desembolsar mais do que o planejado com os gastos no exterior.

Mas mesmo quem não pensa em dólar vai sentir o peso dele nas contas no final do mês. O pão, a massa e os biscoitos devem encarecer já que grande parte do trigo utilizado pela indústria brasileira é importado.

Se você pensou que os celíacos, alérgicos ao glúten, estão livres do aumento da conta do supermercado, está enganado. Muitos fertilizantes usados na área agrícola também são feitos no exterior. Carnes também devem sofrer aumento porque com o dólar alto os criadores podem destinar a maior parte da produção para a exportação.

Fora isso, as mulheres vaidosas já devem estar sentindo o preço da beleza. Cosméticos e maquiagens vêm aumentando os seus preços de revenda no Brasil há alguns meses, quando o dólar começou a subir desenfreadamente.

 

Como reduzir o impacto no dia a dia

Cortar a compra de produtos importados é a primeira atitude a ser tomada para não ser pego de vez pela crise. Mas há uma série de mudanças na rotina que também podem atenuar os efeitos dessa situação econômica complicada.

A conta do supermercado vai ficar mais cara, isso é fato. Então cortar os jantares e almoços em restaurantes é uma opção para não ver o dinheiro indo embora tão fácil. Quem ainda não sabe cozinhar pode aprender facilmente com uma infinidade de vídeos na internet. No trabalho, levar uma marmita de casa é a solução para a economia.

Quem deseja viajar para fora do Brasil vai ter que optar por destinos mais em conta. A América Latina é repleta de belezas naturais e atividades de entretenimento. Além disso, alguns dos países têm o Real valorizado sobre as moedas locais.

Na hora de presentear um aniversariante ou os filhos no Dia das Crianças, a alternativa é optar por objetos que possam ser feitos em casa ou mesmo experiências gratuitas, como um piquenique no parque ou um passeio. A crise apresenta um momento de extrapolar a criatividade para fechar as contas no final do mês.

 

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre a alta do dólar?  Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar! 


Sites parceiros