Um castigo clássico da infância é aquele em que a criança deve se retirar do convívio social para refletir sobre seu mau comportamento. O cantinho do pensamento é uma estratégia que os pais usam para tentar fazer com que os pequenos entendam por que tal atitude é errada. Mas será que funciona?

Cantinho do pensamento serve para quê?

Para os pais, o idealizado cantinho do pensamento é uma punição por algo que a criança fez de errado. Ela se comportou mal? Falou um palavrão? Brigou com os irmãos? Desrespeitou os adultos? Atitudes como essas são as que levam ao castigo de sentar e avaliar as atitudes.

cantinho-do-pensamento-doutissima-istock-getty-images
cantinho do pensamento é uma punição por algo que a criança fez de errado. Foto: iStock, Getty Images

Esse tipo de castigo não é somente uma prática doméstica: é usado em alguns ambientes educacionais para que o aluno que não teve um comportamento condizente se afaste dos outros para refletir. Mesmo sendo amplamente praticado, há quem diga que essa forma de punição não é eficiente.

O primeiro ponto é que crianças pequenas não compreendem fatos, regras e limites do mesmo jeito que os adultos. Para eles, as coisas não são claras ou lógicas.

 

Em segundo lugar, separá-los do ambiente provavelmente não faz com que eles pensem no que fizeram. É mais provável que eles gastem o tempo no cantinho do pensamento com qualquer distração na cabeça até serem chamados de volta para o convívio.

O doutor Graham Latham, pesquisador da Universidade de Utah, estudou esse fenômeno e concluiu que o cantinho do pensamento é usado de maneira errada e, por isso, não é tão eficiente quanto outros tipos de punições e ensinamentos. O método não é ideal para promover a disciplina, mas sim serve como uma interrupção de um comportamento ruim e repetitivo.

Como usar o cantinho do pensamento 

Em seu trabalho, o especialista apontou que esse tempinho para pensar deve servir como uma pausa para que um comportamento desagradável seja deixado de lado. O cantinho não pode ser usado como uma ameaça de que se o pequeno repetir a ação mais uma vez terá de ser afastado da situação.

Se a criança tem um comportamento irritante e insistente, que não pode ser ignorado, aí sim o tempo para pensar deve ser usado. Se ela também estiver interrompendo a brincadeira ou atrapalhando alguma tarefa de propósito também é uma boa hora para mandar para o cantinho.

Outro momento em que esse refúgio é adequado é quando a criança começa a atrair a atenção para si no meio de uma atividade em grupo. Gritos, manha e atitudes desse tipo podem acontecer, e aí é melhor que ele fique na reserva para se acalmar.

 

Fora as ocasiões citadas para aquele tempinho pensando, a conversa franca e bem clara é a melhor maneira de disciplinar os pequenos na infância. Quando houver alguma atitude que não esteja de acordo com as regras e limites estabelecidos, eles precisam entender porque aquilo não deve se repetir.

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar! 


DEIXE UMA RESPOSTA