É simples, rápido, não dói e ainda pode salvar até três vidas. Doar sangue é mais que um ato solidário, é uma ação necessária no País em que apenas 1,9% da população contribui com os hemocentros. O Dia Internacional do Doador de Sangue, comemorado em 25 de novembro, visa estimular e conscientizar sobre a doação como meio para mudar o cenário atual da saúde.

Entenda a importância do ato e confira o que é necessário para tornar-se um doador.

Dia Internacional do Doador de Sangue shutterstock doutissima
Evite esforços físicos exagerados por pelo menos 12 horas após a doação de sangue. Foto: Shutterstock

Doe sangue, salve vidas

Muitas vezes, a picada da agulha assusta. Algumas pessoas sentem medo de ficarem fracas ou contrair doenças durante a doação. Entretanto, não é preciso o receio. O procedimento não causa qualquer um dos problemas acima.

É preciso levar em consideração que todos os dias acidentes acontecem. Pessoas passam por cirurgias de urgência, sofrem queimaduras, descobrem que são hemofílicas. São nessas situações que a doação pode salvar aqueles que precisam do seu tipo sanguíneo para seguir a vida.

De acordo com dados do Hemocentro do Rio Grande do Sul, se cada cidadão saudável doasse pelo menos duas vezes por ano, não seriam necessárias campanhas emergenciais para coletas de reposição de estoques, uma vez que cada doação pode retirar até 450 mililitros de sangue.

Dia Internacional do Doador de Sangue: cuidados

Para contribuir com a sua doação, é necessário apresentar documento com foto, válido em todo território nacional, estar com o peso acima de 50 quilos, além de ter idade entre 18 e 69 anos. Jovens de 16 e 17 anos também podem ser doadores, desde que tenham o consentimento formal dos responsáveis legais.

Você não precisa estar em jejum para passar pelo procedimento, mas é necessário ter repousado por no mínimo seis horas na noite anterior à doação. Além disso, não é permitido ingerir bebidas alcoólicas até 12 horas antes do ato, assim como é preciso evitar fumar por, pelo menos, duas horas antes da doação.

Alimentos gordurosos são permitidos apenas até três horas antecedentes ao procedimento. Como medida de segurança, o Ministério da Saúde estabelece que mulheres podem doar a cada quatro meses e os homens a cada três.

Pessoas diagnosticadas com hepatite após os 11 anos de idade, mulheres grávidas ou em período de amamentação, pessoas expostas a doenças transmissíveis pelo sangue como Aids, sífilis e doença de Chagas e usuários de drogas não podem contribuir com doações.

 

Candidatos que fizeram tatuagem e piercing nos últimos seis meses, com piercing em cavidade oral ou região genital, também estão impedidos de doar sangue.

Confira o que você pode e o que não pode fazer após uma doação, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca).

1. Evitar esforços físicos exagerados por pelo menos 12 horas após a doação.

 

2. Aumentar o consumo de líquidos, principalmente água.

 

3. Não fumar por cerca de duas horas.

 

4. Evitar bebidas alcóolicas por 12 horas.

 

5. Manter o curativo no local da retirada por pelo menos quatro horas

 

6. Não dirigir veículos de grande porte, trabalhar em cima de andaimes, praticar paraquedismo ou mergulho.

Atualmente, o Sistema Único de Saúde (SUS) do Brasil conta com mais de 30 hemocentros e cerca de 370 centros regionais e núcleos de hemoterapia distribuídos em todo o País.

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!