Amor e Sexo > Sexualidade

Os perigos de usar hidratante e óleo de coco como lubrificante caseiro

Por Debora Stevaux 31/05/2018

Seja no sexo ‘convencional’ ou no sexo anal, uma coisa é certa: o lubrificante pode fazer (muito) pela relação sexual do casal. A principal função do produto é facilitar a penetração e elevar o conforto durante o sexo. Em alguns casos, eles podem até apimentar esse momento, dependendo das características de cada produto – há versões que esfriam e esquentam, têm sabores de frutas etc. Porém, nem tudo pode ser usado para lubrificar, o que acaba por deixar bem longe do recomendável a ideia do lubrificante caseiro quando se trata de perigos à saúde.

Leia mais: Por que não ser adepta da depilação íntima feminina?

Alergias e prejuízos no desempenho do preservativo entram para a lista de perigos que o lubrificante caseiro pode acarretar durante o sexo. (Foto: iStock)

Loções hidratantes, óleo de coco, amêndoas e outros tipos de cremes improvisados representam riscos para a região genital do(a) parceiro(a). Além de causarem alergia, ardência, vermelhidão e irritação por não terem sido desenvolvidos especificamente para esse uso, eles podem até prejudicar o desempenho do preservativo  – é o caso do óleo de coco que estoura a camisinha.

Veja também: Por que a falta de libido é tão comum entre as mulheres?

Caso você esteja num momento íntimo com outra pessoa e não veja outra saída que não usar esses produtos, prefira a saliva. Porém, o poder lubrificante do cuspe nem se compara com o produto desenvolvido especialmente para isso. Outra dica importante, nesse caso, é ficar atento à composição do produto. Normalmente, aqueles que são produzidos à base de silicone ou água desencadeiam menos reações alérgicas. Existem também aqueles que são derivados de petróleo, mas essas marcas geralmente têm maiores probabilidades de irritar a vagina.

Leia mais: 4 dicas práticas de como apimentar sua relação

Caso você tenha qualquer suspeita, faça um teste alérgico que consiste em passar um pouquinho do produto em uma região pequena como uma parte do braço e aguardar por 15 minutos, no mínimo. Se a pele não apresentar vermelhidão, é porque provavelmente você não tem alergia. No entanto, como o lubrificante será aplicado nas mucosas, seja vaginal ou anal, ou seja, regiões de maior absorção, a alergia pode dar as caras mesmo assim.

Veja também: 6 dicas para fazer sexo oral em mulheres

As preliminares quando são bem feitas permanecem sendo a melhor forma de lubrificação natural. Isso porque nem sempre o lubrificante é a melhor saída. Os problemas de ressecamento, principalmente os que atingem o público feminino, podem ser sintomas de outras complicações mais graves, como o desequilíbrio hormonal, por exemplo e precisam ser investigados caso surjam com frequência.

Leia mais: Lubrificante à base de água favorece prazer sexual feminino!


Sites parceiros