[the_ad_group id="16401"]
Clínica Geral

Choque anafilático: sintomas causas e tratamento

Por Redação Doutíssima 20/02/2014

Toda alergia é uma resposta exagerada do sistema imunológico à alguma substância estranha ao nosso organismo. Quando essa reação é muito intensa, ocorre o chamado choque anafilático, também conhecido como anafilaxia. O choque anafilático pode se causada por alimentos, drogas, medicamentos, picadas de insetos ou outras substâncias alérgicas. Ele afeta o corpo inteiro e pode ser fatal, caso a pessoa não receba um tratamento de emergência.

 

choque anafilatico

Teste para detectar possíveis alergias. Foto: Shutterstock

 

Choque anafilático

 

O choque anafilático é considerado como a expressão de maior emergência das alergias e por isso pode gerar muito sofrimento. Seu diagnóstico é clínico, isto é, baseado na história e análise do exame físico da pessoa. Infelizmente não há um teste que possa prever com exatidão se uma pessoa poderá ou não desenvolver um choque em algum momento de sua vida.

 

Causas do choque anafilático

 

choque anafilatico

Algumas causas do choque anafilatico

 

Algumas possíveis causas do choque anafilático são os medicamentos, veneno de inseto e determinados alimentos que causam alergia no indivíduo.

Alimentos: Os alimentos mais comuns que causam choque anafilático são os derivados do leite, frutos do mar, amêndoas e amendoim.

Anti-inflamatórios: Medicamentos como o dipirona e a aspirina.

Picadas de insetos: Abelhas, marimbondos, vespas, formigas, etc.

Derivados de borracha: O latex é o mais comum.

Sintomas

O quadro típico do choque anafilático é o de um colapso cardiorrespiratório, no qual a pessoa fica com dificuldade para respirar, sudorese intensa, hipotensão, palidez, corpo frio, pulso rápido, chiado ao respirar, desmaio, urticária (caracterizada por placas avermelhadas distribuídas pelo corpo) e angioedema (inchaço da pele, mais comum ao redor dos olhos, nos lábios e língua). Nos casos de reações alérgicas, o edema mais perigoso é o edema de glote, também conhecido como edema de laringe, em que ocorre o inchaço na região da glote, no esôfago, impedindo a passagem do ar.

 

choque anafilatico

 

Olhos: lacrimejamento e coceira.

Pele: coceira, placas, (urticária), angioedema (inchação).

Aparelho respiratório: rinite, edema de laringe (glote), asma, falta de ar, chiado, tosse, asfixia.

Aparelho gastro-intestinal: vômitos, dor abdominal, diarréia.

Aparelho circulatório: sudorese, queda da pressão, arritmias, desfalecimento e parada cardíaca.Olhos: lacrimejamento e coceira.

Pele: coceira, placas, (urticária), angioedema (inchação).

Aparelho respiratório: rinite, edema de laringe (glote), asma, falta de ar, chiado, tosse, asfixia.

Aparelho gastro-intestinal: vômitos, dor abdominal, diarréia.

Aparelho circulatório: sudorese, queda da pressão, arritmias, desfalecimento e parada cardíaca.

 

Tratamento para choque anafilático

 

choque anafilatico

Injeção intravenosa de Adrenalina

 

O tratamento do choque anafilático deve ser iniciado com rapidez e a medicação de escolha é a adrenalina injetável, até que se iniciem outros medicamentos apropriados. Se a garganta estiver fechada e impedir a passagem do ar é necessário realizar uma cricotireoidotomia (fazer o paciente respirar por aparelhos) para manter a integridade cerebral, até que a situação seja normalizada.

É importante salientar que, apesar de ser uma situação de emergência, o choque anafilático costuma evoluir na maioria das vezes com boa resposta, desde que diagnosticada e tratada precocemente.

O esclarecimento e a correta orientação do paciente e de seus familiares, bem como a prevenção, constituem o melhor tratamento da anafilaxia, reduzindo sua mortalidade.

 

Primeiros socorros para choque anafilático

 

choque anafilatico

Primeiros socorros

 

A primeira coisa a se fazer quando há suspeita de choque anafilático, é telefonar para o serviço de emergência o mais rápido possível (SAMU: 192, ou Bombeiros: 193). Enquanto aguarda a ajuda especializada, é preciso tentar identificar o que causar a reação alérgica.

O segundo passo é remover o paciente do contato com o que desencadeou o problema. Caso seja alguma picada de inseto, como abelhas ou formigas, é preciso tentar retirar o ferrão da pele e aplicar gelo no local. Essa medida pode ser tomada utilizando-se a lateral plana de um cartão de crédito para raspar a pele. Caso o paciente tenha ingerido algo que causou o problema, é preciso retirar a substância do contato com seu corpo.

Alguns pacientes alérgicos costumam ter uma medicação anti-alérgica (Epinefrina) no bolso ou na carteira, pergunte a ele e, se for o caso, dê a medicação o mais rápido possível.

 

Prevenção do choque anafilático

 

A prevenção é fundamental para evitar o choque  anafilático. Se você é alérgico a algum alimento, leia bem o rótulo dos produtos que você consome para ter certeza de que eles não contém nenhum ingrediente que possa provocar alergia.

Quanto à picadas de insetos, proteja-se quando for viajar usando repelentes no corpo e nos cabelos, evite também o uso de perfumes muito doces que atraem insetos.

Para as pessoas que já sofreram um choque  anafilático, é recomendado portar uma pulseira com identificação da doença, isso pode ajudar o médico a identificar o problema caso a pessoa esteja inconsciente.


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]
[the_ad_group id="16404"]