Cabelos

Conheça os principais tratamentos para alopécia areata

Por Redação Doutíssima 24/11/2014

Disfunção caracterizada pela perda localizada de cabelo, a alopécia areata é um problema que atinge em torno de 1% a 2% da população. A perda capilar decorrente da doença é assintomática, ainda que alguns percebam prurido ou queimação, e por isso os tratamentos para alopécia areata precisam ser feitos rapidamente.

alopecia-areata

Problema nos cabelos acontece de forma progressiva. Foto: iStock, Getty Images

De forma geral, as regiões onde o cabelo cai são bem delimitadas, apresentando-se em formatos arredondados ou ovais, estendendo-se ao longo do couro cabeludo. No entanto, com o tempo, as quedas podem se tornar confluentes e progredir para a perda total de cabelo e pelos do corpo.

O problema é classificado como autoimune, e afeta homens e mulheres de diferentes idades e grupos étnicos.

Tratar alopécia areata ajuda na parte psicológica

Ainda que não previnam os problemas maiores, os tratamentos para alopécia areata são indicados para evitar danos psicológicos (isolamento social, depressão) e estéticos ao paciente. Atualmente são conhecidos cinco diferentes técnicas de combater a doença.

Um deles são as injeções locais de derivados da cortisona. Trata-se de um dos tratamentos para alopécia areata de primeira linha, habitualmente prescrito a adultos com menos de 50% do couro cabeludo comprometido.

Entre os pacientes com boa resposta às aplicações, a volta do crescimento capilar é observada entre um e dois meses depois. As substâncias são reaplicadas a cada quatro ou seis semanas.

Nos casos em que a perda capilar foi veloz, ampla e duradoura, os resultados podem não ser os esperados, de modo que, se após seis meses não forem percebidas melhoras, o tratamento pode ser suspenso.

Outros tratamentos para alopécia areata

O uso tópico de cremes com corticosteroides é outro recurso adotado pelos médicos. A solução é empregada como alternativa às injeções, que podem ser dolorosas, sobretudo em crianças.

Com eficácia que varia de 20% a 45%, as soluções de Minoxidil também compõem as possibilidades de tratamentos para alopécia areata. A substância é conhecida por estimular a síntese de DNA no folículo piloso e deve ser utilizada duas vezes ao dia.

Com propriedades antiproliferativas, a terapia local com creme de antralina é igualmente adotada. Os resultados têm sido variáveis.

Para os casos em que mais de 50% do couro cabeludo foi afetado pela doença, um dos tratamentos para alopécia areata mais eficazes são os que trazem sensibilizadores de contato como o DNCB e o SADBE, que desencadeiam reações imunológicas quando em contato com a pele das áreas comprometidas.

Pesquisas sugerem que em 60% dos casos em que este tipo de recurso é aplicado, a resposta cosmética se mostrou bastante aceitável a partir do sexto mês de tratamento.

Três são as formas conhecidas da disfunção: alopécia areata, caracterizada pela perda de cabelo em pontos isolados; a alopécia totalis, que se manifesta através da perda total de cabelos no couro cabeludo; e a alopécia universalis, que traz consigo a perda total de todos os pelos do corpo.

Na alopécia areata, pode haver diversos episódios de queda, acompanhados de recobrimento parcial ou total do cabelo perdido. Pode ocorrer queda em um local específico e crescimento em outros. Por outro lado, há perdas que também podem ser irreversíveis.

Em algumas pessoas, o prejuízo capilar pode ser conjugado com alterações na superfície das unhas – estima-se que tal associação atinja de 10 a 50% dos casos.

 

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão Doutíssima!


Sites parceiros