[the_ad_group id="16401"]
Clínica Geral > Uncategorized

Tratamento para hepatite C tem nova opção de medicamento

Por Redação Doutíssima 26/01/2015

O vírus da hepatite C pode ser transmitido, principalmente, por contato com sangue contaminado, compartilhamento de objetos para o uso de drogas, além de vias sexuais e de mãe para filho. Atualmente, o tratamento para hepatite C é feito com os medicamentos interferon e ribavirina. Esses devem ser utilizados combinados para alcançarem o efeito desejado

tratamento para hepatite c

Com o tratamento e cuidados adequados, a hepatite C tem cura. Foto: iStock, Getty Images.

 

O individuo infectado pode desenvolver uma forma crônica da doença, que é conhecida como hepatite VHC, que pode causar lesões no fígado e câncer hepático.

Novo medicamento para tratamento para hepatite C

 

Desde janeiro de 2015, os pacientes que buscam o tratamento para hepatite C têm mais uma opção para melhorar sua qualidade de vida: o daclatasvir. O medicamento tem, entre as principais vantagens, maior eficácia, diminuição do tempo de tratamento e ter seu uso por via oral.

Os medicamentos sofosbuvir e simeprevir ainda estão em processos de avaliação de sua segurança e eficácia para o tratamento da doença.

Esses três medicamentos seriam indicados para o primeiro estágio do tratamento. Isso porque seus efeitos colaterais são menores. Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), cerca de 15,8 mil pessoas estão em tratamento para a hepatite C no Sistema Único de Saúde (SUS).

Diagnóstico e tratamento para hepatite C

 

Normalmente, o diagnóstico é feito após exames de rotina para investigar outras doenças. Contudo, existe um exame específico para identificar essa. Conhecido como anti-VHC, o exame consiste, basicamente, na contagem de anticorpos contra o vírus.

A cura só é confirmada após seis meses do término do tratamento para hepatite C e a não existência da presença do vírus no sangue do indivíduo. A taxa de cura varia de 40% a 60%. Esse percentual pode chegar a 70% quando o paciente não desenvolve cirrose. Porém, isso dependerá do tipo de vírus que foi contraído.

Pessoas que fizeram transfusão de sangue ou transplante antes de 1993 devem fazer o exame anti-VHC. Nessa época, o sangue não era testado e, por isso, a probabilidade de contágio era muito maior.

Recomendações para pessoas em tratamento

 

Pessoas que estão em processo de cura da doença devem ter alguns cuidados simples, no dia a dia, para que o tratamento seja eficaz, rápido e seguro. Para isso, algumas recomendações precisam ser seguidas com disciplina:

– Não consuma bebidas alcoólicas durante o tratamento para hepatite C.

– Certifique-se que o material utilizado para coleta de sangue é descartável.

– Leve à manicure seu próprio material.

– Faça as vacinas contra hepatite A, B, gripes e pneumonia todos os anos para evitar complicações no seu quadro clínico.

Em 2013, o Ministério da Saúde incorporou ao modelo de tratamento para hepatite C, no SUS, dois outros medicamentos: o boceprevir e o telaprevir., que são antivirais de ação direta. Esses medicamentos são indicados apenas para pacientes que se encontram em casos mais graves.

Mesmo com esses novos medicamentos que apresentam seu percentual de eficácia maior que os medicamentos anteriores, é necessário ficar atento a materiais compartilhados e evitar uso de drogas injetáveis.


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]
[the_ad_group id="16404"]