[the_ad_group id="16403"]
Dieta

Alimentação macrobiótica busca a saúde por meio do equilíbrio

Por Redação Doutíssima 08/05/2015

A alimentação macrobiótica é bastante conhecida entre as celebridades. Madonna e Gwyneth Paltrow são algumas das famosas que indicam que esta dieta é o segredo para a boa forma. Porém, a alimentação macrobiótica é muito mais que um plano alimentar: é um estilo de vida que visa um maior equilíbrio do corpo.

 

Como funciona a alimentação macrobiótica

A palavra “macrobiótico” vem da raiz grega e significa “vida longa“, refletindo a visão em direção à saúde a longo prazo e à espiritualidade encarnada pela filosofia chinesa Yin e Yang. Assim, a alimentação macrobiótica não é realmente uma dieta, é mais um modo de vida.

 

Ela também inclui a parte espiritual da vida, considerando seus altos e baixos como dons para que nos tornemos seres humanos melhores. Um dos princípios nutricionais importantes neste tipo de alimentação envolve consumir alimentos ricos em nutrientes que possuem propriedades yin/yang equilibradas.

alimentação macrobiótica

Alimentação macrobiótica visa um maior equilíbrio do corpo. Foto: iStock, Getty Images

A alimentação macrobiótica incentiva a ingestão de grãos integrais, feijão e produtos de feijão (como tofu), legumes orgânicos (locais e da época), sopas, vegetais do mar, peixe, um pouco de frutas, conservas, condimentos, nozes, sementes e chás não aromáticos.

 

O cardápio é composto por 40 a 50% de grãos integrais, 25% de vegetais sazonais, 10% de alimentos ricos em proteína, 5% de sopas e alimentos fermentados de boa qualidade, 5% de vegetais do mar e 5% de frutas, nozes e sementes.

 

Yin e Yang são a base da alimentação macrobiótica

Na filosofia chinesa, o conceito de yin/yang é usado para descrever forças opostas ou contrárias que são interconectadas e interdependentes no mundo natural. Na alimentação macrobiótica, acredita-se que, se comermos alimentos frescos e da estação, o nosso corpo vai ter o yin e o yang ideal.

 

Os alimentos perfeitos para consumir são os únicos que têm um bom equilíbrio yin/yang. Yin atrai doença, ou seja, um corpo com muita energia yin é um corpo doente. Yang, por outro lado, é a cura, sendo inter-relacionado com a energia yin do corpo. Um corpo equilibrado é saudável.

 

Os alimentos yang tendem a ser mais quentes, como ovos, carnes, cereais integrais, raízes e legumes cozidos. Os alimentos que são mais yin incluem todos os alimentos crus, como vegetais crus, bem como feijão, leite e laticínios, todas as frutas, todos os sucos, açúcar e álcool.

 

A história por trás da alimentação macrobiótica

A filosofia macrobiótica foi desenvolvida por George Ohsawa, um filósofo japonês que procurou integrar o zen-budismo, a medicina asiática, os ensinamentos cristãos e alguns aspectos da medicina ocidental. Ohsawa acreditava que a simplicidade na dieta era a chave para a boa saúde e que um regime baseado nela e na abstenção de certos alimentos era capaz de curar doenças graves, como o câncer.

Na década de 1930, ele começou a defender a sua filosofia de saúde e cura através de dieta adequada e medicina natural. O filósofo levou seus ensinamentos para os Estados Unidos na década de 1960. Sua dieta envolveu 10 etapas que eram progressivamente mais restritivas. A última fase consistia apenas de arroz e água, mas ela não é mais recomendada por conselheiros macrobióticos.

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!


[the_ad_group id="16349"]
[the_ad_group id="16404"]