Especialidades

Ejaculação retardada: conheça as causas e saiba como tratar

Por Redação Doutíssima 16/09/2015

Muito se fala sobre os impactos de uma relação sexual que termina rapidamente quando o homem atinge o orgasmo muito cedo. Mas outro problema similar, a ejaculação retardada, também prejudica o sexo.

A ejaculação precoce é mais conhecida por ser muito mais comum que o efeito contrário. Independente de qual das duas disfunções sexuais esteja comprometendo a vida de um indivíduo, ambas têm tratamento.

ejaculação retardada - doutissima - iStock

Disfunção sexual chamada de ejaculação retardada também prejudica o sexo. Foto: iStock, Getty Images

 

Entenda a ejaculação retardada

A ejaculação retardada é a dificuldade extrema em ejacular ou a total incapacidade de chegar a esse ponto durante a atividade sexual ou masturbação. Em alguns casos desse problema o indivíduo demora cerca de 30 a 40 de minutos para ter um orgasmo.

Um estudo publicado em 2006 pela British Association for Sexual Health and HIV aponta indícios de que cerca de 7% dos homens sofram com a ejaculação retardada em algum momento da vida e ainda sugere que a dificuldade pode ser passageira na maioria dos casos.  

Existem várias causas para a ejaculação retardada, desde problemas fisiológicos ao uso de drogas e medicamentos. O mesmo estudo lista as principais origens do distúrbio: sensibilidade reduzida no pênis, reflexos retardados do músculo que envolve a uretra, estimulação genital aquém das expectativas e idade avançada.

Também entram nessa relação problemas nos dutos que envolvem o órgão sexual masculino (como anormalidade e cistos), neuropatia diabética, danos na espinha dorsal, prostatectomia (remoção parcial ou completa da próstata), diabetes e hipotireoidismo.


Uma das causas, a estimulação genital aquém das expectativas, tem a ver com a experiência de masturbação e relações sexuais com parceiros. Nesse caso, o homem não consegue ter a mesma pressão e ritmo que impõe em si mesmo quando se envolve no ato sexual com outra pessoa, tornando a experiência menos prazerosa que a estimulação individual.  

Álcool, drogas e medicamentos também influenciam na capacidade de responder ao estímulo sexual, seja sozinho ou acompanhado. Um estudo com ratos comprovou que o uso de fluoxetina, um inibidor seletivo da recaptação de serotonina, medicamento antidepressivo, pode levar a ejaculação retardada.

Tratamentos para o problema

Um artigo publicado pela International Society of Sex Medicine avalia as opções de tratamento para a ejaculação retardada e ressalta que muito depende da causa do problema. A busca por um médico é o primeiro passo para entender como solucionar essa questão que compromete a vida sexual de um casal.

Problemas como a sensibilidade ou a dificuldade de sentir prazer com parceiros são tratados com acompanhamento terapêutico e médico e mudança de hábitos e associações relacionadas a sexo. Se a causa for fisiológica, tratando a raiz do problema costuma solucionar a dificuldade em chegar ao clímax.

A American Urology Association não estabelece nenhum tipo de tratamento padrão e recomenda para todos os homens que sofrem com esse problema a orientação de um especialista.

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar! 

 

É fã do Doutíssima? Acompanhe o nosso conteúdo pelo Instagram!


Sites parceiros