O Festival do Rio, que teve início em 1º de outubro e se estenderá até o próximo dia 14, transformou a Cidade Maravilhosa na capital do cinema mundial. A 17ª edição do evento conta com 250 filmes de 60 países, que estão sendo apresentados em 25 salas de cinemas, em 20 locais diferentes espalhados por toda a cidade.

A abertura do festival ficou por conta do filme Chico – Artista Brasileiro, de Miguel Faria Jr. O eixo principal do enredo é o livro O irmão alemão, último romance do dramaturgo e compositor Chico Buarque. A trama conta com trechos da história narrados por Marília Pêra.

festival do rio sala de cinema doutíssima istock getty images
Edição 2015 do Festival do Rio conta com 250 filmes de 60 países. Foto: iStock, Getty Images

Programação da 17º edição do Festival do Rio

Neste ano, o Centro Cultural Luiz Severiano Ribeiro – Cine Odeono, voltou a fazer parte do circuito do evento. No Cine Odeono, ocorrem sessões populares da Première Brasil e do Cine encontro.

Nesta edição, o Festival do Rio divide seus 250 filmes em 17 mostras. Confira alguns destaques:

Orson Welles

 

O diretor, ator e roteirista, completou em maio 100 anos e o festival faz uma homenagem ao cineasta exibindo sua obra cinematográfica. Em 1938, Orson Welles, inspirado no romance de H.G. Wells, causou histeria na população americana ao produzir A paranóia radiofônica.

No filme, por 60 minutos recriou a chegada de marcianos que destruíam bairros inteiros com raios. Essa produção de Welles, na verdade não passava de uma brincadeira de véspera do Halloween.

Estúdio Ghibli – A loucura e os sonhos

 

O estúdio Ghibli também será homenageado e apresentará nove obras do gênero de animação. O estúdio é considerado um dos mais importantes do mundo. Entre os longas metragem de animação está a produção Meus vizinhos: Os Yamadas, do co-fundador e diretor de animação do estúdio, Isao Takahata.

 

Isao Takahata, apresentou O Conto da Princesa Kaguya, em 2014, no Annecy International Animation Film, na França, onde recebeu um prêmio honorário.

 

Cinema Noir Mexicano

 

Faz parte das mostras homenageadas e traz seis produções. Entre os longas exibidos está A deus ajoelhada, de Roberto Galvadón. O filme conta a história do milionário Antonio que presenteia a esposa, no aniversário de casamento, com uma estátua de uma mulher nua. A modelo que posou para a estátua é Raquel, sua amante.

 

Documentários musicais confirmam presença

Os documentários musicais fazem parte da história do Festival do Rio. Nesta edição, o evento exibe dez opções voltadas à música, divididas em diversas mostras. Entre eles,  Chico – Artista Brasileiro.

 

Outro que merece destaque usa filmagens e fotos inéditas do cantor James Brown e antigas entrevistas. O longa metragem relata como foi a carreira desse astro da música norte-americana. Novas entrevistas com companheiros de banda e outras pessoas próximas de James Brown também estão no documentário.

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!