Com a chegada do fim do ano, brincadeiras como a do amigo oculto acabam por ser sugeridas por alguém. Seja na família, entre amigos, no trabalho, na escola ou na academia, os nomes dos participantes são escritos em papéis e sorteados para o grupo.

Entretanto, pequenos erros cometidos pelos participantes podem transformar o momento em algo chato ou desagradável. Veja a seguir dicas para inovar na brincadeira sem cometer gafes.

amigo oculto shutterstock doutissima
Chegada do final do ano é propícia para as brincadeiras como o amigo oculto. Foto: Shutterstock

 

Origem da brincadeira e variações

O início desse costume é incerto, mas registros mais antigos de algo parecido com a brincadeira teriam surgido na Grécia Antiga, quando os gregos escolhiam presentear pessoas importantes, de forma aleatória, em datas comemorativas. Também acredita-se que, em meados do século 18, povos da Dinamarca, Finlândia, Islândia, Noruega e Suécia trocavam lembranças para celebrar laços com os deuses.

Além disso, há a crença que operários americanos deram origem ao modo como conhecemos o amigo-secreto atualmente. Os trabalhadores que­riam pre­sen­tear os ami­gos na con­fra­ter­ni­za­ção de fi­nal de ano, mas por questões de afinidade alguns ficavam de fora. Para que todos fossem contemplados, a brincadeira virou um sorteio sigiloso revelado somente no dia da troca de lembranças.

Para deixar o momento mais descontraído e diferente da ideia original, existem algumas variações possíveis. Uma delas é o amigo econômico, o qual vale mais pela brincadeira que pelos presentes. Pode ser estipulado um valor simbólico de R$ 1,99 a R$ 5, o que pede a sua criatividade para comprar algo útil e especial. Desse modo, o sorteio pode ser feito no dia da entrega.

Também é possível optar por uma alternativa mais sentimental, a qual sugere que a troca de presentes seja substituída por mensagens escritas para o amigo sorteado. Nesse sentido, valem cartões, cartas ou uma história para contar.

Se você está sem tempo para organizar o sorteio e o encontro, marque um dia para que todos se reúnam com um presente unissex no valor estipulado. Assim, o amigo-secreto pode ser feito em um único dia.

Outra opção diferente para a brincadeira são os presentes temáticos. O preço deve ser o mesmo, mas todas lembranças devem seguir um tema ou objeto específico, como por exemplo, DVD’s, doces, bebidas, livros ou peças de roupa.

Amigo oculto sem gafe

É possível entrar em situações constrangedoras na brincadeira. Por ter se popularizado, o amigo oculto é realizado não somente em casa com a família, mas também na empresa, com a turma da faculdade ou até da academia.

 

A pressão de escolher um presente para quem não conhece, a expectativa em ganhar o que pediu e, principalmente, o momento de descrever o amigo sorteado, pode gerar desconfortos. Confira sete dicas para não estragar a brincadeira.

1. Não dê presentes de gosto pessoal, como roupas íntimas e perfumes. Fuja de objetos neutros que não lembrem a personalidade do amigo ou que seja algo que não possa ser usado por ele.

2. Se você tirou o nome de alguém que não conhece, evite ao máximo trocar com alguém. Observe seus atos, preste atenção em conversas e puxe um papo também.

3. Se o seu amigo oculto é o chefe da empresa, não se apavore. Siga o valor estipulado para todos e presenteie com o que você sabe que faz parte de seus gostos.

4. Caso for ultrapassar ou não atingir o preço escolhido para os presentes, tenha certeza absoluta que o presente irá agradar mais que apenas uma lembrança comprada na obrigação.

5. Você não precisa relevar o fato de ter tirado alguém que não gosta. Para evitar possíveis constrangimentos, tente uma troca com outra pessoa.

6. Odiou seu presente? Agradeça, sorria e deixe a troca para depois. Pergunte ao amigo onde comprou, pois quer presentear alguém, ou diga que já tem o aquilo.


7. Evite falar de atributos físicos do amigo na hora da revelação. Chamar alguém de magrelo, gordo, careca ou narigudo pode ofender ou constranger a pessoa, mesmo que ela seja íntima. Vá pelas qualidades para não errar.

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar! 


DEIXE UMA RESPOSTA