Manter uma alimentação saudável e nutritiva é essencial para o desenvolvimento do bebê. Por isso, as mamães com pouco tempo para cozinhar estão sempre em busca de como congelar papinhas caseiras e facilitar o dia a dia. Isso deve ser feito de maneira correta para que o alimento não perca alguma propriedade nutricional. Há algumas orientações de congelamento importantes que você deve seguir.

 

Seleção de ingredientes

Muitos pais estão descobrindo na papinha para bebê caseira uma alternativa nutritiva e mais econômica do que aquelas disponíveis em lojas. Além disso, um recente estudo indica que alimentos industrializados voltados para crianças possuem menos nutrientes do que refeições caseiras.

como congelar papinhas shutterstock getty images
Papinha caseira é uma alternativa nutritiva e mais econômica que as industrializadas. Foto: iStock, Getty Images

 

As papinhas industrializadas costumam conter níveis elevados de açúcar, sendo que algumas sugerem uso já com quatro meses de idade – quando os bebês ainda devem estar em dieta de leite materno ou fórmula.

 

Não bastasse isso, pesquisadores da Universidade de Glasgow indicam que os pequenos teriam que comer o dobro de alimentos industrializados para obter a mesma energia e proteína das refeições feitas em casa.

 

Acontece que para fazer a papinha em casa é preciso bastante atenção. Selecionar bons ingredientes é a primeira etapa. Busque começar com aqueles de boa qualidade – de preferência frescos, se possível. Quando optar por frutas e legumes processados, prefira aqueles sem adição de açúcar.

 

É importante saber ainda que alimentos orgânicos são mais saudáveis. É que neles não há produtos químicos ou sintéticos, de modo que usá-los como base terá grande vantagem para a saúde da criança. Com eles é possível fazer inúmeras receitas caseiras capazes de ajudar o pequeno a se desenvolver.

 

Como congelar papinhas de maneira correta

vários métodos de congelamento de alimentos de bebê. Todos são capazes de funcionar, mas existem diferenças quanto ao espaço que ocuparão no congelador. Em qualquer caso, você deve preparar a comida da criança e resfriá-la o mais rápido possível – evitando assim crescimento de bactérias.

 

Qualquer alimento que fica em temperatura ambiente por mais de duas horas já não é considerado seguro para o pequeno e deve ser descartado. Para esfriar a comida, tente espalhá-la em um recipiente raso para acelerar o processo.

 

Para congelá-lo o ideal é optar por um recipiente com tampa, capaz de proteger a comida dos odores do congelador. Caso você não tenha, é possível usar uma bandeja de cubos de gelo e cobri-la com filme plástico.

 

Nesse último caso, depois que os cubos estiverem congelados é possível pressioná-los para fora e guardá-los em sacos de congelamento. Essa é uma ótima forma porque ocupa menos espaço em seu freezer.

 

Um cubo por refeição pode ser o suficiente para seu filho no início, mas à medida que ele crescer é possível oferecer dois cubos. Além disso, é possível fazer diferentes sabores através da mistura e combinação de cubos – faça um cubo de purê de maçã e outro com purê de cenoura, por exemplo.

 

Certifique-se de etiquetar o saco com o tipo de alimento e data de preparação. Os cubos de comida para bebê devem ser usados em no máximo um mês após o congelamento. Quando for alimentar a criança, basta retirar o número de cubos necessários, descongelá-los na geladeira e reaquecê-los depois.

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!