[the_ad_group id="16401"]
Sexualidade

Sexo e maconha: conheça os efeitos da maconha na vida sexual

Por Redação Doutíssima 11/04/2014

Cerca de 1,5 milhão de adolescentes e adultos usam maconha diariamente no Brasil, segundo o Levantamento Nacional de Álcool e Drogas (Lenad) realizado por pesquisadores da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Entre os efeitos da droga estão diminuição da atividade motora, aumento da frequência cardíaca e do apetite. Mas qual a relação entre sexo e maconha?

Sexo e maconha: o que dizem as pesquisas

Como a droga causa a diminuição da atividade motora e sonolência, o primeiro efeito da relação entre sexo e maconha é a falta de libido, já que algumas pessoas sentem muito sono e não conseguem transar.

Sexo-e-maconha-Fortissima-iStock-Getty-Images

Primeiro efeito da relação entre sexo e maconha é a falta de libido. Foto: iStock, Getty Images

Além disso, como toda droga, a maconha causa certa dificuldade de se expressar. Por isso, nesse estado, a pessoa consegue ter fantasias sexuais, mas a maconha acaba fazendo com que a pessoa perca o impulso sexual. Ela desperdiça a condição de ir para o outro, de se relacionar de verdade.

Um estudo da Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas (Uniad) da Unifesp mostrou que o índice de disfunção erétil entre homens usuários de drogas é maior do que o dobro quando comparado à média da população brasileira.

Estudo realizado com 215 pessoas em tratamento de dependência química por álcool e outras drogas aponta que 47% dos homens apresentam alguma disfunção sexual. Número bem maior do que o encontrado pelo Estudo da Vida Sexual do Brasileiro (EVSB), realizado em 2004, com 7.103 brasileiros, no qual a prevalência do problema entre o gênero masculino foi de 18,2%.

De acordo com Alessandra Diehl, coordenadora da Enfermaria de Dependência Química da Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas Unifesp e autora da pesquisa, o número é representativo e pode sim ser confrontado com a população geral.

Entre os principais problemas relatados pelos entrevistados, a ejaculação precoce lidera, atingindo 39% deles, seguido pelo desejo sexual diminuído (19%), dificuldade de ereção (12%), retardo na ejaculação (8%) e dor durante a relação (4%).

Sexo e maconha: danos causados pelas drogas

A psiquiatra explica que o tabagismo, o alcoolismo e a dependência de drogas como maconha, cocaína e crack, são importantes fatores de risco para o desenvolvimento de problemas sexuais, principalmente disfunção erétil nos homens.

“O álcool e a nicotina, por exemplo, promovem alterações na arquitetura vascular de forma generalizada, atingindo órgãos vitais para o bom desempenho sexual”, afirma. “Já a cocaína, apesar de aumentar a libido, acaba, com seu uso crônico, fazendo o efeito contrário”.

Outras drogas, como o ecstasy, o crystal e o ácido gama-hidroxibutírico (GHB), também conhecido como “Boa Noite Cinderela”, aumentam a libido e, por esse motivo, são muito procuradas. No entanto, Alessandra alerta que o uso crônico acaba por prejudicar o desejo sexual e a busca por essas drogas passa a ser mais para aliviar sintomas de abstinência do que pelo prazer propriamente dito.

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar! 


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]
[the_ad_group id="16404"]