Filhos > Psicologia

Desenvolvimento cognitivo e intelectual: o crescimento do indivíduo e as emoções

Por Bruno Cuiabano 14/05/2014

O desenvolvimento das emoções é um dos processos essenciais no crescimento de um individuo. E que irá interagir com muitas das outras dimensões como a linguagem, a personalidade

 

desenvolvimento cognitivo

 

O que se pensava anteriormente é que as crianças não seriam detentoras de capacidades que hoje lhe são atribuídas como, por exemplo, uma ótima habilidade para exploração da realidade a sua volta, alem de serem exímios construtores de sua própria inteligência, o que implica caráter ativo na aquisição de conhecimentos.

Autores como Piaget, Chomsky, R. Case, Flavell entre outros desenvolveram novos conceitos sobre a criança. Piaget, por exemplo, nos mostrou, com seu corpo de teorias, demonstrações de competência e precocidade dos bebês e das crianças. Piaget acreditava numa capacidade do bebê inata de se adaptar usando suas capacidade de percepção da realidade e sua ação motora sobre ele, o que foi chamado inteligência sensório-motora. O método clínico de Piaget combinava observação e questionamento flexível, sendo assim ele descreveu o desenvolvimento cognitivo como uma serie de estágios. Em cada estagio a criança tem uma maneira de pensar e responder ao ambiente. Piaget criou os conceitos de:

• Esquema – padrões organizados que uma pessoa usa para pensar e agir em uma situação;

• Assimilação – tomar uma informação e incorpora-la em estruturas cognitivas existentes, ou formas de pensar;

Acomodação – mudar nossas idéias, ou estruturas cognitivas para incluir o novo conhecimento;

• Equilibração – busca constante de equilíbrio, estado de equilíbrio entre a criança e o mundo exterior.

Na primeira infância, estagio sensório motor – dois primeiros anos, Piaget concluiu que seu desenvolvimento se divide em seis subestágios.

 

Desenvolvimento cognitivo

 

desenvolvimento cognitivo

 

Na segunda infância,estagio pré-operacional – dois a seis anos, a função simbólica se faz presente, elas podem compreender o conceito de identidade, estão começando a compreender relações causais, compreendem princípios de contagem, estão desenvolvendo a habilidade de classificar, o seu vocabulário aumenta significativamente influenciando sua capacidade de comunicação, mostra sinais de terem uma teoria da mente (consciência de seus processos de pensamento) adquirem habilidades de distinguirem certos eventos imaginários e reais.

Na terceira infância, estágio operatório concreto – seis a doze anos, o individuo tem sua evolução explicada em alguns conceitos que exemplificam seus comportamentos caracteristicamente mais organizados.

• Descentração – as crianças dessa idade são capazes de considerar varias dimensões da realidade, levam em consideração vários aspectos de um estimulo, relativizam situações;

• Realidade inferida – são capazes de inferir conclusões que vão alem dos dados observáveis, deixam se levar menos pelas aparências;

• Reversibilidade – começam a entender que existem algumas ações que compensam outras e levam ao mesmo ponto de partida;

• Transformações – consideram as transformações, são mais flexíveis, captam melhor processos de mudança.

No estagio de operações formais, a característica mais importante apontada por Piaget se dá no modo de pensamento abstrato. Pessoas são capazes de raciocinar de modo hipotético-dedutivo. Podem testar hipóteses e resolver problemas complexos. Segundo Elkind, os padrões imaturos de pensamento dos adolescentes incluem a identificação nas figuras de autoridade, tendência para discutir, idéia de invulnerabilidade.

Piaget é criticado por demonstrar, em sua teoria, que o raciocínio formal é o mais importante. Tais medidas parecem implicar que a cognição do homem esta limitada ao pensamento matemático ou cientifico. Outro problema levantado é o de muitos indivíduos, mesmo no final da adolescência ou na fase adulta, parecerem não ser capazes de raciocínio abstrato (o conceito de abstrato de acordo com a definição de Piaget).

Esses fatores e mais outros pertinentes a outras fases da vida de um individuo, vão ser revistos também pela abordagem do processamento de informações. Essa abordagem analisa os processos mentais subjacentes à inteligência como a percepção, a atenção, a memória, etc. Como Piaget, os representantes dessa abordagem entendem o comportamento das crianças tendo participação ativa no ambiente, mas não propõe estágios. Para os teóricos neo-piagetianos, a capacidade da criança também não é descontinua, apresentando-se muito cedo no individuo. Portanto ampliaram e modificaram a teoria de Piaget por meio de sua integração com a abordagem do processamento de Informações.

De acordo com as novas descobertas, os bebês fazem uso da memória desde seus primeiros dias, entram em contato com o ambiente através de sua percepção desde o período pré-natal e, com isso, começam a definir sua atenção para certas características especificas a sua volta. É de extrema importância para o psicólogo o conhecimento das teorias piagetianas e neo-piagetianas para lidar efetivamente com o indivíduo em crescimento.

Referências Bibliográficas 

Coll, César., Marchesi, Álvaro., Palacios, Jesús., Desenvolvimento Psicológico e Educação – Psicologia Evolutiva Vol. 1, 2º edição, Porto Alegre: Editora Artmed, 2004.

Papalia, D. E., Olds S. W., Desenvolvimento Humano. Porto Alegre: Editora Artmed, 2000.

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão Doutíssima! Clique aqui para se cadastrar!

 

Saiba mais:

 

Amamentação e desenvolvimento orofacial

Relato de mãe: maternidade e desenvolvimento fetal

Como é o desenvolvimento intelectual da criança

4 sinais de alerta sobre o desenvolvimento da criança que começa a andar

Primeiros meses de vida: crescimento físico e desenvolvimento psicomotor da criança

Entenda a relação entre o divórcio e o desenvolvimento social da criança

Qual a idade certa para o bebê começar a falar

Fonte : http://www.brunocuiabano.com/


Sites parceiros