Especialidades

Endoscopia: conheça as principais indicações desse exame

Por Redação Doutíssima 24/10/2014

A endoscopia é um exame indicado quando o médico suspeita de que algo está errado com o sistema digestivo. Esse exame possibilita que o especialista identifique gastrites, lesões, úlceras, sangramentos e até mesmo o câncer.

 

Quando a endoscopia é requerida

 

Muitas vezes, a endoscopia é solicitada pelo médico quando há sintomas estranhos, como vômito com sangue, fezes negras, azia, dor e desconforto na parte superior do abdômen, perda de peso sem explicação e náuseas.

endoscopia

Exame pode ser realizado para identificar e também tratar enfermidades. Foto: iStock, Getty Images

Outro fator que pode fazer com que o médico solicite a endoscopia é quando o paciente possui cirrose no fígado. O exame é capaz de identificar varizes no esôfago, que se não forem tratadas, podem estourar. Outra enfermidade que também utiliza o exame é a doença de Crohn, para que o médico acompanhe a rotina da doença.

 

A endoscopia pode ser usada também como procedimento terapêutico, em casos como colocação de balão intragástrico em tratamento de diabetes, retirada de pólipos, ligadura elástica, remoção de corpos estranhos (quando uma criança engole uma moeda, por exemplo), dilação de estenoses e tratamento de lesões sangrantes.

 

Outras indicações

 

Em termo de diagnóstico, o procedimento permite a realização de biopsia – extração de tecido para análise. É através dessa ação que são descobertas muitas doenças.

 

A endoscopia pode ser útil para tratar algumas patologias específicas, como o câncer de estômago, dependendo do nível da doença. A versatilidade do procedimento permite auxiliar na colocação de cateteres e sondas.

 

Como a endoscopia é feita

 

Para a sua realização, é aplicado um sedativo intravenoso e uma anestesia local na garganta. Por conta dessa sedação, durante o procedimento, o paciente não sente dor alguma e depois nem se lembra de como foi o exame, já que o individuo vai dormir.

 

Quando os sedativos fazem efeito, começa o procedimento. O endoscópio é inserido através do esôfago no estômago e no duodeno. Um pequeno chip consegue capturar as imagens e enviá-las para uma tela em tempo real. Desse modo, é possível examinar o revestimento do duodeno, esôfago, estômago e intestino superior.

 

A endoscopia é um procedimento rápido. Dura em média, cerca de 5 a 20 minutos, dependendo da área que está sendo analisada. Para fazer o exame, é importante que o paciente esteja em jejum por 8 horas.

 

Outras informações importantes

 

Não existem contraindicações desse procedimento. Entretanto, pessoas que possuam problemas cardíacos, neurológicos ou respiratórios, ou ainda, que tenham alergia a certos medicamentos, precisam avisar o médico. O exame vai poder ser feito, mas com um cuidado redobrado, para que não haja complicações.

 

Por conta da sedação, após a sua realização é necessário que você saia do hospital e fique em casa repousando até que o efeito sedativo passe completamente.

 

Como todo procedimento médico, pode haver complicações. Entretanto, o risco de alguma complicação acontecer é de menos de 1 em 1000 pessoas. Os pacientes mais propícios a serem afetados são os que possuem reação adversa aos medicamentos utilizados no exame.

 

Há também uma pequena chance de haver perfuração no duodeno, estômago ou esôfago durante a endoscopia. Mas na maioria dos casos não existem complicações nesse procedimento.

 

 


Sites parceiros