Sexualidade

Descubra se você tem inclinação para o sadomasoquismo

Por Redação Doutíssima 27/10/2014

Todo mundo sabe que no sexo vale tudo, ou quase tudo. Com isso, algumas práticas podem até ser consideradas inadequadas, mas depende muito da forma que ela é vista. O sadomasoquismo foi visto por muito tempo como algo inapropriado e, em alguns casos, foi por muito tempo considerado patológico. Mas os psicólogos que estudam pessoas interessadas neste tipo de sexo não conseguiram encontrar evidências de que essas práticas sexuais são prejudiciais.

Na verdade, um estudo publicado em maio de 2013, descobriu que os praticantes de sadomasoquismo estavam em melhor situação do que a população em geral em alguns aspectos, incluindo ter relações seguras e menor ansiedade.

Por isso, se você acha agradável a ideia do prazer sexual ao causar ou sentir dor, saiba que isso é devidamente normal e pode fazer bem ao seu relacionamento, desde que seja totalmente consensual com seu parceiro.

Veja a seguir como funciona o sadomasoquismo e se ele pode ser adequado ao seu relacionamento.

sadomasoquismo

Muitas pessoas gostam de sentir dor durante o sexo, e isso é totalmente normal. Foto: iStock, Getty Images

Como funciona o sadomasoquismo?

É uma prática sexual que usa a dor, a dominação e a humilhação para a busca do prazer. O sadomasoquismo refere-se a duas palavras separadas: sadismo e masoquismo. Sadismo é um termo que define o lugar onde uma pessoa inflige sofrimento para seu objeto de desejo na busca do prazer.

Masoquismo, pelo contrário, está recebendo sofrimento para o prazer. O dominado e o dominador é uma relação estabelecida, que envolve abuso verbal e físico, na busca da satisfação sexual intensa.

Se você acha que não existe relação entre dor e prazer e acha tudo isso muito estranho, saiba que alguns especialistas afirmam que a dor pode liberar endorfinas, que são ligadas ao prazer. O masoquista reconhece que ser espancado é um pouco doloroso, mas ele ou ela, em sua maioria, sente prazer, tendo uma excitação sexual adicional.

Sadomasoquismo na prática

Quando se fala em sadomasoquismo, os limites devem ser claros e ajustados para evitar problemas, já que algumas práticas podem ser perigosas. Por isso, os parceiros devem decidir sobre um código, que permite que os dominados possam ordenar que a brincadeira pare em qualquer momento de desconforto. A segurança não é negociável.

Também é importante levar em conta os efeitos psicológicos sobre todos os interessados, especialmente os dominados. Normalmente, o sadomasoquismo é retratado em estados mais extremos, como com o uso de chicotes, correntes e algemas, mas, na realidade, um casal pode praticar o sadomasoquismo se eles mordem levemente um ao outro durante a relação sexual.

Se você está curioso sobre sadomasoquismo, é melhor testar algumas coisas com seu parceiro, como morder e puxar cabelo. Morder é o mais fácil, porque a maioria dos casais normalmente dão mordidinhas em áreas como o pescoço ou as coxas durante o sexo. Por isso, a dica é, ao beijar o pescoço, gradualmente, começar a mordiscar.

Se o seu parceiro gostar disso, você pode morder um pouco mais forte, mas lembre-se de que você não deve machucá-lo. É também comum começar dando alguns tapas nas nádegas durante o sexo. Puxões de cabelo também podem ser feitos de forma leve, como por exemplo, durante o sexo oral.

Alguns casais podem levar isso um passo adiante e buscar algumas ferramentas, mas é claro que isso deve ser feito de comum acordo entre o casal. Muitas casas específicas para este tipo de sexo já existem em todo o mundo. Por isso, se você se interessou nessa prática, pode ser uma boa oportunidade conhecer mais sobre este mundo de dominação.


Sites parceiros