A amplitude térmica é característica marcante do outono e da primavera, estações de transição entre os períodos mais frios e os mais quentes do ano. Nessas épocas, predominam mudanças de temperatura ao longo do dia ou então períodos intercalados de dias frios com outros quentes.

 

Algumas regiões do Sul e do Sudeste brasileiro mantêm essa característica durante o ano todo. Áreas de serra e montanha, principalmente, costumam apresentar manhãs e noites amenas, mesmo quando os dias são quentes e ensolarados. Tamanha oscilação tem impacto direto na saúde da população.

mudancas de temperatura
O enfraquecimento do organismo pela mudança de temperatura favorece as gripes e sinusites. Foto: iStock

 

Mudanças de temperatura e problemas respiratórios

Uma pesquisa coordenada pela meteorologista Micheline Coelho na Universidade de São Paulo (USP) demonstrou, em números, o quanto as mudanças de temperatura afetam a saúde das pessoas. A partir de um modelo matemático, a pesquisadora contabilizou o aumento da procura por emergências de hospitais em função de problemas respiratórios.

Cruzando os registros diários do DataSUS, banco de dados do Ministério da Saúde, com as informações sobre o clima, durante dois anos, em cinco capitais brasileiras, a pesquisa chegou a algumas conclusões.

Quando os termômetros despencavam 15 graus no intervalo de 24 horas (passando de 25ºC para 15ºC, por exemplo), havia um aumento de 95% nas internações por asma em São Paulo, 99% no Rio de Janeiro, 85% em Brasília, 86% em Porto Alegre e 85% em Florianópolis.

Segundo a pesquisadora, embora os índices sejam elevados, o modelo abrange apenas uma parte dos danos provocados pelas mudanças de temperatura, pois somente casos que exigiam internação eram contabilizados. Pessoas que recebiam alta após fazer inalação ou passar por uma consulta médica ficaram de fora dessa estatística.

Como as mudanças de temperatura afetam o corpo

O organismo tem uma espécie de centro termorregulador, responsável por fazer o corpo retomar a zona de conforto térmica quando ocorre uma mudança de temperatura muito brusca. Nas crianças, esse sistema ainda não está totalmente desenvolvido, e os idosos apresentam redução dessa capacidade. Por isso, esses são os grupos que mais sofrem quando o tempo muda.

Problemas respiratórios são as principais consequências da oscilação térmica, desencadeando as “ites”: amidalite, otite, sinusite, faringite, laringite e bronquite. Sem contar as crises de asma, pneumonia, gripes e resfriados.

Isso acontece pelo motivo de os cílios da garganta, que funcionam como defesa para o organismo, expelirem agentes potenciais causadores de doenças. Quando muda o tempo, o movimento desses cílios diminui. Com isso, a capacidade de defesa do corpo fica enfraquecida, possibilitando a proliferação de vírus.

Como evitar infecções

A hidratação é uma das grandes armas para reforçar o sistema de defesa do seu corpo, por isso, beba bastante água para evitar doenças decorrentes de mudanças de temperatura. O consumo de líquido ajuda a eliminar a secreção com mais facilidade.

Manter um estilo de vida saudável, com alimentação balanceada, atividade física regular e repouso adequado também é essencial para deixar o sistema imunológico em dia. E, claro, se na região onde você mora as mudanças de temperatura são comuns, lembre-se do bom e velho conselho de sua mãe: leve sempre um casaquinho quando sair de casa.

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar! 

 

É fã do Doutíssima? Acompanhe o nosso conteúdo pelo Instagram!


DEIXE UMA RESPOSTA