Filhos

Inmetro proíbe chupetas customizadas: entenda os motivos

Por Redação Doutíssima 06/11/2015

Uma recente decisão do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) impactou o mercado de produtos infantis. O órgão proibiu a comercialização de chupetas customizadas por considerar esses produtos perigosos para os pequenos. Bicos e a própria mamadeira também entram na decisão.

Chupetas customizadas apresentam riscos

Os produtos feitos sob encomenda de pais que querem dar aos filhos acessórios exclusivos são considerados perigosos para o uso infantil. O Inmetro se preocupa com os materiais usados na customização, que podem ser tóxicos.

chupetas-customizadas-doutissima-shutterstock

Normativa proibiu a comercialização de chupetas customizadas por oferecerem riscos à saúde. Foto: Shuttestock

Além disso, enfeites como cristais podem se soltar das peças e prejudicar a saúde dos bebês e crianças. As pecinhas ainda são capazes de causar sufocamento, caso sejam engolidas e, inclusive causar morte, menciona a nota oficial do órgão controlador a respeito da decisão.

O documento ainda cita que a proibição foi baseada em relatos de casos no exterior. O órgão ainda alerta que chupetas, bicos e mamadeiras de uso infantil são controladas e verificadas e devem conter aprovação do Inmetro para garantir a segurança.

Estabelecimentos comerciais que não se adequarem a regra e continuarem vendendo as chupetas customizadas terão de pagar multa. O valor varia entre R$ 100 e R$ 1,5 milhão, conforme o Inmetro.

Chupeta é inimiga ou aliada?

A sucção faz parte da vida dos bebês e em primeira instância é como eles se alimentam, sugando o leite materno. Mas a chupeta é um acessório controverso entre médicos e dentistas, já que pode prejudicar a saúde bucal das crianças.

Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), a chupeta serve como um calmante para a criança. Muitos bebês têm o costume de chupar o dedo, e o acessório é um substituto para esse ato que acontece até mesmo durante a gestação, antes do nascimento.

Mas a SBP também tem argumentos contra o uso indiscriminado da chupeta. Há indícios de que o uso desse aparato faz com que o bebê perca o interesse no bico do seio, dificultando o aleitamento materno como único alimento por pelo menos seis meses.

Outro ponto citado é que o processo de acalmar o bebê pode ser feito de muitas outras formas que não envolvem o uso de um acessório para o pequeno sugar. E ainda há o problema bucal, já que a chupeta é capaz de modificar a formação dos dentes e causar problemas de fala e dicção quando a criança for maior.

Listando esses e outros prós e contras do produto, a SBP pretende que pais e cuidadores tenham o conhecimento de tudo o que envolve o oferecimento da chupeta aos pequenos. Sabendo das qualidades benéficas e prejudiciais do acessório é possível avaliar a real necessidade do uso e quando pode ser utlizado.

Juntamente com pediatras ou profissionais qualificados para o atendimento infantil, os pais podem avaliar com mais conhecimento de causa se devem oferecer ou não a chupeta aos seus filhos.

 

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar! 


Sites parceiros