[the_ad_group id="16403"]
Medicamentos

Adipotide: revolução brasileira no exterior

Por Dr. Adolfo Duarte 01/04/2014

adipotide

A história se repete. Grandes mentes brasileiras têm a oportunidade de mostrar sua genialidade e criar algo completamente novo no campo da ciência… fora do Brasil. É triste perceber que nossos pesquisadores, muitas vezes, só vão ter essas oportunidades em países estrangeiros, onde a educação e a pesquisa científica são verdadeiramente apoiadas e incentivadas. Ainda bem que nada disso diminui a genialidade do casal Wadih Arap e Renata Pasqualini.

Esta dupla de pesquisadores criou a inovadora droga ADIPOTIDE, que corta o suprimento sanguíneo para depósitos de gordura corporal e promete ser mais um grande aliado na luta contra a obesidade. Ainda em fase de testes, a nova droga ainda não está à venda (nem se animem) e ainda deve demorar um tempinho para termos acesso a seu uso. Esperamos que não demore muito.

Pois é. Genial com certeza. Estão de parabéns os pesquisadores. 100%!

Agora vamos voltar a conversa para nós mesmos.

Não podemos esquecer uma coisa: “vem fácil, vai fácil”. Isso mesmo. Se depositarmos toda a responsabilidade do emagrecimento em um medicamento, que tipo de aprendizado e desenvolvimento nós teremos? É óbvio que a nova medicação irá salvar vidas, principalmente de pacientes com obesidade mórbida, e impedirá muitas pessoas de realizar as “milagrosas” cirurgias gastrintestinais com objetivos de emagrecimento. É evidente que a inovação será útil mas, como já disse anteriormente sobre outra medicação, deverá ser utilizada por QUEM PRECISA MESMO.

O processo de emagrecimento com esforço e trabalho, aliando controle alimentar, exercícios físicos e uma reabilitação psíquica é composto por um sem número de vivências que levam o paciente a uma grande crescimento pessoal. Quem possa emagrecer sem tanta pressa deve fazer disso uma oportunidade, um processo de aprendizado e ganho de autocontrole ímpar, cujos reflexos se farão evidentes em muitas outras áreas de sua vida. Ninguém engorda “de repente”, sendo que o emagrecimento deve ser um processo com duração proporcional ao esforço que se aplique.

Alcançar um resultado com empenho e trabalho dá um sabor muito mais interessante ao mesmo. A sensação de vitória, de meta alcançada, vai tornar toda a vida do paciente mais plena de satisfação, e torná-lo uma pessoa mais segura de si, de suas capacidades.

O adipotide promete ser uma excelente arma para tratarmos os pacientes que dele precisem e me orgulha profundamente saber que os pesquisadores que o desenvolveram são brasileiros. Parabéns a eles! Só não vamos transformar, nós médicos que atendemos os pacientes diretamente, a sua fabulosa descoberta em um incentivo para a falta de empenho e para a ideia de que se pode simplesmente “comprar” um emagrecimento. Esta mentalidade fraturada e débil já se estende por um sem número de tratamentos, mesmo que não funcionem tão bem. Imaginemos o que pode acontecer se ela se apegar a um que realmente funciona!

Não incentivemos a irresponsabilidade daqueles que devemos orientar.

Viva o casal de pesquisadores brasileiros! Viva a responsabilidade!

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!

 

 

Saiba mais:

Metformina para emagrecer? Saiba quais são os riscos do uso deste medicamento para perder peso

França autoriza o uso do medicamento Baclofeno para tratar o alcoolismo

Alergia a medicamentos: entenda porque acontece e o que fazer

Como agir em caso de ingestão abusiva de medicamentos

Conheça os principais tipos de medicamento

Medicamentos necessários para o bebê (até 3 meses)

Idosos com mais de 80 anos consomem duas vezes mais medicamentos


[the_ad_group id="16349"]
[the_ad_group id="16404"]