Clínica Geral

Saiba o que causa a lordose e como tratar o problema

Por Redação Doutíssima 06/11/2014

Hoje em dia é raro encontrar uma pessoa que não sofra de algum problema na coluna. Um caso comum e que afeta indivíduos de todas as idades é a lordose, que é uma das curvaturas da coluna vertebral. Dentre as lordoses temos a cervical, que fica na região do pescoço, e a lombar, localizada mais perto do abdômen.

lordose

Falta de exercícios contribui para o enfraquecimento da coluna. Foto: iStock, Getty Images

Quando ocorre alguma alteração nestas curvaturas pode se considerar um problema de lordose. Por isto, músculos abdominais fracos e um abdômen protuberante são fatores de risco.

O quadro de lordose é tão comum que muitas pessoas possuem o problema de coluna e nem mesmo sabem, descobrindo apenas quando consultam um especialista por causa de algum sintoma.

Dores são comuns em casos de lordose

Geralmente, pessoas com este problema apresentam dificuldade para realizar certos movimentos e sofrem com dores constantes, principalmente durante as atividades que envolvem a extensão da coluna lombar, tal como o ficar em pé por muito tempo.

Por isto, a flexão do tronco usualmente alivia a dor, o que faz com quem sofre deste mal prefira sentar ou deitar.

Caracteristicamente, a lordose pode ser observada na ocorrência de uma modificação da postura do corpo e por uma limitação da mobilidade da coluna. Quando o problema está na região da lombar, os sintomas mais recorrentes são dores no fundo das costas, fraqueza nos músculos da barriga, abdômen globoso, flacidez na barriga e celulite nos glúteos.

Já quando o quadro se manifesta na região no pescoço, as queixas mais comuns são rigidez, dor no pescoço e fraqueza nos músculos da área afetada.

Meios de tratar a lordose

Ao sentir qualquer sintoma da lordose, é de extrema importância que se procure um médico, pois qualquer espécie de alteração nestas regiões da coluna vertical acaba tendo influência no organismo como um todo e pode levar a quadros patológicos.

Um aumento na curvatura recebe o nome de hiperlordose, enquanto a redução é chamada de hipolordose.

O diagnóstico é feito por meio de exames físicos, onde o médico irá manipular a coluna para identificar possíveis anomalias, além de medir sua assimetria.

Também poderá pedir ao paciente que realize alguns movimentos com a finalidade de calcular a extensão, a curvatura e a flexibilidade da estrutura da coluna. Caso seja necessário, um raio-x da região mostrará a curvatura da coluna e a sua integridade.

Se confirmado o quadro de lordose, o tratamento deve ser iniciado de imediato, pois até mesmo os movimentos mais simples do dia a dia podem ficar comprometidos.

O uso de analgésicos, anti-inflamatórios e fisioterapia são medidas que tendem a ajudar bastante na amenização dos sintomas, assim como exercícios personalizados, coletes e redução do peso auxiliam no reposicionamento da coluna e na cura das lordoses.

A intervenção cirúrgica, neste caso, só é considerada quando há envolvimento neurológico ou quando a curvatura é muito grave, cabendo ao cirurgião decidir o procedimento mais adequado.

Uma das principais medidas preventivas para evitar problemas na coluna é consultar regularmente um médico e realizar exames de rotina, além de manter atenção à postura, que deve estar sempre ereta. Manter uma boa alimentação também auxilia na prevenção, pois o corpo fica com o peso ideal e nenhuma área da coluna sofre com sobrepeso.

 

 


Sites parceiros