[the_ad_group id="16401"]
Filhos

Hérnia umbilical pode sinalizar complicações no bebê

Por Redação Doutíssima 17/12/2014

Comum em muitos bebês, a hérnia umbilical é um estufamento no umbigo ou à sua volta. Essa “bola” é formada por gordura e também pode ser formada quando o músculo do abdômen tem algum espaço, abertura ou fissura e uma parte do intestino grosso ou delgado pode atravessar.

 

Em adultos, uma das causas da hérnia umbilical  pode ser o excesso de peso. Já nos bebês, ela pode ser resultado de uma má formação. Geralmente a hérnia umbilical não é associada a doenças graves, mas em casos pontuais, ela pode estar associada a doenças raras como armazenamento de mucopolissacarídeos, Síndrome de Beckwith-Wiedemann e síndrome de Down.

 

hérnia umbilical

Complicação não significa doença grave, mas pode evoluir, requer atenção. Foto: iStock, Getty Images

Hérnia umbilical pode “prender” o intestino

 

Em caos muito raros, a hérnia umbilical pode fazer com que um pedaço dos intestinos do bebê fiquem presos na região da hérnia. Quando isso ocorre, o fluxo de sangue é cortado e exigindo uma intervenção cirúrgica imediata.

 

Os pais devem estar atentos a todo o momento e, se notarem inchaço, sensibilidade ou mudança de cor na área, com presença de dor e sintomas como vômito e mal estar, levar o bebê com urgência.

 

Menos comum, mas é um tipo de hérnia que pode ocorrer em bebês é a hérnia de diafragma. Esse problema pode fazer com que os órgãos do abdômen entrem na caixa toráxica e causem insuficiência respiratória grave na criança. Para este tipo de problema, o recém-nascido é operado ainda nas primeiras horas de vida.

 

Os casos mais comuns e não graves de hérnia umbilical tem incidência grande, estima-se que aproximadamente uma criança a cada 20 nascidas. Este problema é mais comum em meninas, que nos meninos, nos bebês nascidos prematuros e em crianças negras.Na maioria dos casos, não é prejudicial a saúde da criança. Em alguns bebês é possível ver a hérnia quando a criança chora ou faz força para evacuar.

 

No bebê, a hérnia umbilical se forma em função do músculo por onde passam os vasos sanguíneos que alimentam o feto em crescimento, por algum motivo não se fecham completamente. Geralmente não oferece riscos ou exige tratamento específico e geralmente desaparece no primeiro ano de vida da criança, não sendo necessário passar por procedimento cirúrgico.

 

Como tratar a hérnia umbilical

 

Um tratamento comum da hérnia umbilical em bebês é feito com a colagem de um esparadrapo ou o uso de uma espécie de cinta, a fim de pressionar a região e fazer o umbigo voltar para o lugar, ou seja, entrar na cavidade abdominal.

 

No caso de hérnias grandes e que não desapareceram até por volta dos cinco anos de idade, um médico deve ser consultado para avaliar a possibilidade de remoção através de cirurgia.

 

Mas via de regra, a maioria das hérnias na região do umbigo costumam sumir até os três ou quatro anos sem necessidade de procedimentos mais agressivos. Elas não causam dor, no máximo algum incômodo devido a sua saliência.

 

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão Doutíssima!


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]
[the_ad_group id="16404"]