[the_ad_group id="16401"]
Clínica Geral

Saiba quando o terapeuta ocupacional pode ajudar

Por Redação Doutíssima 19/01/2015

No dia 19 de janeiro é comemorado o Dia Mundial do Terapeuta Ocupacional, mas você sabe como esse profissional ajuda na saúde das pessoas? Ele é tão importante quanto um médico, e capaz de dar o diagnóstico de uma doença e indicar o tratamento adequado ao paciente.

É dele a responsabilidade de traçar estratégias e propostas para que a pessoa volte a ter autonomia, possibilitando o resgate da qualidade de vida.

terapeuta ocupacional

O profissional é de extrema importância no processo de reabilitação física e mental. Foto: iStock, Getty Images

Fabiana Monteiro Coelho tem apenas 28 anos, mas já atua como terapeuta ocupacional há sete. A escolha pela área de atuação não foi aleatória, nem de forma impulsiva.

Desde os 15 anos, quando conheceu na Florida, nos Estados Unidos, a profissão, ela tinha certeza do que queria fazer pelo resto da vida. “Essa profissão maravilhosa vê o ser humano como algo especial, único, onde tratamos cada um individualmente com suas especificidades”, conta.

A jovem trabalha na área de terapia ocupacional pediátrica, contribuindo para autonomia de crianças com problemas de diversas ordens.

Quando questionada sobre a eficácia do tratamento com os pequenos, Fabiana não hesita em afirmar que os resultados são melhores do que em adultos. “É muito mais fácil habilitar uma criança do que reabilitar um adulto. Acredito que as crianças têm melhores prognósticos, devido sua capacidade de aprendizado e sua plasticidade neural”, afirma.

Para quem precisa de terapeuta ocupacional, Fabiana deixa uma dica de como escolhê-lo. “Veja se o profissional se enquadra em suas expectativas. Se ele tem as formações necessárias para sua demanda. Se teve empatia com o profissional. Se ele te deixa seguro e esperançoso. Se o profissional te passa segurança e confiança.”

Terapeuta ocupacional e a reabilitação do paciente

 

Este profissional é, muitas vezes, confundido com o fisioterapeuta. A confusão acontece porque ambas as profissões trabalham com a mobilidade do paciente. No entanto, o terapeuta ocupacional se preocupa com o desenvolvimento motor, psicológico, cognitivo, sensorial, afetivo, individual e social do paciente de maneira preventiva.

Já fisioterapeuta trabalha com recursos físicos, principalmente aos relacionados às alterações no movimento e suas consequências, especialmente no momento da reabilitação.

Por isso, o terapeuta ocupacional pode atuar com pessoas de todas as idades, desde crianças até idosos, e ainda, pessoas com necessidades especiais. O campo de atuação pode ser em clínicas, asilos, hospitais, ambulatórios, escolas, instituições psiquiátricas, geriátricas e penais, centros de saúde, de convivência e de reabilitação, creches e empresas.

Tradicionalmente, o profissional atua nas áreas de saúde mental e psiquiatria, saúde do idoso, saúde do trabalhador, saúde física do adulto e saúde da criança e desenvolvimento infantil.

A maneira como esse vai atuar com o paciente vai depender da condição, doença e situação em que ele se encontra. Às vezes, o terapeuta ocupacional tem a função de trabalhar somente com a prevenção e não com o tratamento ou reabilitação, por exemplo.

Os atendimentos podem ser individuais ou em grupos e os recursos usados na intervenção podem ser variados.

Conheça recursos usados pelo terapeuta ocupacional

 

No dia a dia, dependendo do caso de cada paciente, esse profissional pode dispor de muitos recursos com o objetivo de reabilitar a pessoa, entre eles:

– Atividades lúdicas, artísticas, manuais e expressivas

– Atividades terapêuticas

– Abordagens corporais

– Técnicas para controlar a dor e a fadiga

– Indicação e confecção de equipamentos que auxiliem o dia a dia

– Acolhimento, apoio, escuta e conversas.

 

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão Doutíssima!


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]
[the_ad_group id="16404"]