Dieta

Dieta flex: entenda como funciona o regime das famosas

Por Redação Doutíssima 27/11/2015

Você é uma das muitas pessoas que quer seguir uma dieta vegetariana, mas não pode imaginar a vida sem carne? Boa notícia: é possível colher muitos benefícios de saúde ao seguir uma dieta baseada em vegetais sem abrir mão dos desejos carnívoros. A dieta flex é capaz de ajudar a perder peso e manter outros benefícios à saúde, e tem feito sucesso entre as celebridades.

dieta flex istock getty images doutíssima

Dieta flex restringe consumo de carne e incentiva ingestão de verduras e frutas. Foto: Istock, Getty Images

 

Como funciona?

A dieta flex surgiu com base no livro da nutricionista americana Dawn Jackson Blatne que, ao contrário de muitas dietas da moda, visa benefícios pequenos de longo prazo.  

 

O flexitarianismo é uma abordagem que visa incorporar mais refeições à base de vegetais e minimizar a carne – mas sem eliminá-la completamente. Celebridades como Bruna Marquezine e Giovanna Lancelotti usam essas técnicas para manter o corpo em forma.

 

O livro The Flexitarian Diet foi pioneiro na orientação a leitores para serem flexíveis com a alimentação. Para seguir essa dieta é indicado comer cinco grupos de alimentos.

 

A “nova carne” (tofu, feijões, lentilhas, ervilhas, nozes, sementes e ovos), frutas e vegetais, grãos integrais, laticínios e açúcar e especiarias. Um plano de refeições de cinco semanas oferece café da manhã, almoço, jantar e lanche.

 

No café da manhã é indicado consumir cerca de 300 calorias, enquanto em almoços e jantares de 400 a 500. Os lanches possuem aproximadamente 150 calorias cada, totalizando assim uma média de 1,5 mil calorias diárias. Dependendo de níveis de atividade física, sexo, altura e peso, é possível ajustar esse regime e restringir ou aumentar o número de calorias.

 

Toda ideia dessa dieta gira em torno de proteínas vegetais ao invés daquelas de origem animal. É possível tomar leite de soja e comer nozes e frutas no café da manhã; preparar sopa de feijão preto com uma salada e grãos para o almoço; e ter uma maçã com manteiga de amendoim como lanche da tarde, por exemplo.

 

O consumo de carne pode variar conforme o decorrer da dieta. Para quem está começando os especialistas indicam a privação em apenas dois dias da semana – depois de um tempo três a quatro dias e, finalmente, cinco dias sem carne por semana.

 

Benefícios da dieta flex

Muitas pessoas recorrem a dietas vegetarianas porque querem melhorar saúde e perder peso. No entanto, uma dieta livre de carne pode ser um desafio e levar à deficiência em proteína quando o cardápio não é bem planejado. 

 

Recentemente pesquisadores do John Hopkins Bloomberg School of Public Health conduziram um estudo no qual foi observado que comer refeições vegetarianas durante um dia completo em apenas uma oportunidade por semana é capaz de reduzir a ingestão de gordura saturada em 15%. Em outras palavras, ingerir carnes em alguns dias não irá tornar o regime totalmente ineficaz.

 

De acordo com o site da nutricionista Dawn Jackson Blatner, quem segue esse tipo de alimentação pesa 15% menos e tem uma menor taxa de doenças cardíacas, diabetes e câncer. Além disso, ela sugere que essas pessoas vivem 3,6 anos mais do que as pessoas consideradas “carnívoras”.

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar! 


Sites parceiros