[the_ad_group id="16401"]
Pele

Saiba como tratar e prevenir a hiperpigmentação da pele

Por Redação Doutíssima 15/12/2014

Em princípio a hiperpigmentação, fenômeno que provoca o escurecimento nítido de algumas regiões da pele, é um incômodo estético. Mas, ao mesmo tempo, as manchas associadas à hiperpigmentação podem ser anúncio de patologias mais sérias.

 

Hiperpigmentação pode ser causada pelo sol

 

Portanto, ao perceber alterações na tonalidade da superfície cutânea, principalmente se estas deixarem a coloração marrom para ganhar tons de cinza, preto ou mesmo azul ou verde, é fundamental que um médico seja consultado.

 

hiperpigmentação

Escurecimento da pele pode indicar problemas mais sérios. Foto: iStock, Getty Images


Quando não associadas a doenças mais graves, a hiperpigmentação pode ter como causa a exposição ao sol; traumas locais; contato com frutas cítricas conjugadas com luz solar; alergias.

 

Também podem estar relacionadas à hiperpigmentação enfermidades dermatológicas mais simples, como melasma; hipercromia pós-inflamatória (marcas na pele oriundas de processos inflamatórios como picadas de insetos, espinhas e depilação); linea nigra; melanoniquia estriada (sinais acastanhados na cútis).

 

Manchas senis, sardas, pintas e hábito prolongado de fumar de igual maneira podem contribuir para o surgimento de hiperpigmentação.

 

Já quando tem relação com distúrbios mais preocupantes de saúde, a hiperpigmentação pode estar ligada a uma variedade de patologias, dentre elas:

– Doença de Addison, caracterizada pelo aumento dos hormônios que fazem a propulsão da síntese de melanina, entre eles o melanócito estimulante (MSH).

– Doença de Cushing.

– Acantose nigricans – hiperpigmentação das áreas intertriginosas integradas à resistência à insulina.

– Câncer de pele, especialmente melanoma.

-Peutz-Jeghers, patologia autossômica que desencadeia máculas pigmentadas nos lábios e mucosa oral.

– Doença celíaca

– Porfíria

– Hemocromatose (quando há acúmulo crônico de ferro no metabolismo)

– Alterações hormonais.

Exames para identificar a hiperpigmentação

 

Para poder ser tratada, a hiperpigmentação deve, primeiramente, ter seu agente motivador identificado. A avaliação clínica é sempre o primeiro passo. Exames de sangue e micológicos diretos podem complementar as observações do dermatologista. Em alguns casos, a biopsia da pele – dermatoscopia – pode ser requerida.

 

Para atenuar as manchas provocadas pelo problema, são geralmente prescritos cremes despigmentantes, crioterapia com azoto líquido, laser, luz pulsada e peeling (que pode ser glicólico, mandélico e kójico).

 

A terapia sistêmica pode incluir também: produtos com antioxidantes (selênio, vitaminas CE e E); hidratantes (ômegas 3, 6 e 9) e protetores (licopeneo, luteína e B-caroteno). A eletroporação é mais uma alternativa empregada – a ideia é otimizar a penetração de princípios ativos com atividade despigmentante nas camadas da pele.

 

A melhor técnica ou a junção de duas ou mais depende da percepção do médico, que considera, naturalmente, o grau de acometimento da pele pelo escurecimento causado pela pigmentação excessiva.

 

O uso de produtos clareadores sem o aval de um especialista pode ser prejudicial à pele e inclusive agravar as máculas. O uso de loção solar com altos níveis de proteção contra raios UVA e UVB é essencial durante e após o tratamento, já que o sol pode não apenas levar à hiperpigmentação, mas também ser fonte de outros danos à pele.

 

Ainda que as manchas escurecidas possam ser reduzidas, a reincidência delas é bastante provável. Portanto, o mínimo de exposição ao sol possível e a eliminação do cigarro (causador de melanose) podem ajudar a manter o problema sob controle.

 

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão Doutíssima!


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]
[the_ad_group id="16404"]