equinácea é uma erva perene, que chega a uma altura média de meio metro. Conhecida como antibiótico natural, cresce na Europa e América do Norte. Sua raiz é axonomorfa, o talo delgado, aveludado.

Equinacea
Índios americanos já conheciam os benefícios desta erva para vários males do corpo. Foto: iStock, Getty Images

As folhas são ásperas, com largura entre 7,5 e 20 cm. As flores são solitárias, com pétalas radiais nas cores rosa purpúrea ou branca. Florescem entre o verão e o princípio do outono. A composição química varia de uma espécie de equinácea para outra.

As propriedades da  equinácea incluem ação imunomoduladora, imunoestimulante, anti-inflamatória, anti-infecciosa e antioxidante. É indicada no tratamento ou prevenção de infecções do trato respiratório superior.

Para uso tópico apresenta atividade bacteriostática e fungistática sobre o Trichomona vaginalis e candida albicans. Ainda é indicada para o tratamento da sinusite.

O uso da equinácea pelos índios americanos

 

O termo equinácea provém do grego e significa ouriço, em alusão à forma pontiaguda das brácteas. Esta planta era utilizada pelos índios nativos americanos, que a chamavam de ek-ih-nay-see-uh. Eles a usavam para tratar ou prevenir doenças infecciosas e tumorais, e ainda neutralizar os efeitos tóxicos de mordidas de serpentes ou animais venenosos.

Os Sioux foram os primeiros que reconheceram nesta erva seu uso como antídoto contra a raiva. Já os nativos Meskwakis, utilizavam a raiz ralada como antiespasmódico e os Cheyennes a mastigavam nos rituais da Dança do Sol. Nas culturas indígenas a planta era fumada para combater dores de cabeça, e sua fumaça soprada nas narinas de cavalos para acalmá-los.

Os feiticeiros usavam o seu suco para lavar as mãos antes de mergulhá-las em água fervente. Também os Índios winnebago utilizavam a planta antes de colocar um carvão em brasa na boca. A raiz mastigada era utilizada para combater dores de dentes e aumento de gânglios, como na caxumba. Seu suco era usado sobre queimaduras e feridas.

Como usar a equinácea

 

1. Infusão

 

Coloque 1 colher (chá) da raiz ou folhas da planta em uma xícara de água fervente. Deixar repousar em infusão, tapado, por 15 minutos, coe e beba 2 vezes por dia.

2. Compressas

 

Indicadas para artrite, são feitas amassando em um pilão as folhas e raízes da planta até formar uma pasta. Aplique na zona afetada com o auxílio de um pano umedecido com água quente.

Contraindicações

 

A planta não é indicada para pessoas que tenham alergia a plantas da família Asteraceae, assim como para pacientes de doenças autoimunes, como HIV. Além disso, também não é indicada para pacientes com tuberculose, colagenose e esclerose múltipla.

Também não é aconselhado tomar remédios à base de equinácea por mais de 8 semanas, para evitar efeito contrário, com fragilização das defesas imunológicas.

 

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão Doutíssima!


DEIXE UMA RESPOSTA